O Problema do “Pluralismo Interpretativo Generalizado”

Share

Por que há diferentes interpretações da Bíblia? Se a Bíblia é inspirada e suficiente, por que tantos cristãos estão em desacordo uns com os outros em textos e tópicos particulares? A linguagem do “pluralismo interpretativo generalizado” foi usada pela primeira vez pelo autor Christian Smith, que recentemente se converteu ao catolicismo romano.

Comecemos com a importante concessão de que este é um problema que todas as pessoas enfrentam, independentemente da sua afiliação religiosa. Não é apenas um problema evangélico. Quem pensa que há uma interpretação monolítica e sempre unificada na Igreja Católica Romana é simplesmente desinformado. Isso não é apenas um problema em todas as famílias da fé cristã, é um problema em todas as esferas da existência terrena. Em outras palavras, isso não é simplesmente um problema religioso, é um problema humano que afeta toda a disciplina de estudo e toda obra de literatura que lemos. Entretanto, está especialmente presente no cristianismo, porque afirmamos que nossa “obra de literatura” – a Bíblia – é inspirada, inerrante, infalível e suficiente.

Agora estamos preparados para examinar algumas das razões do pluralismo interpretativo. Estes não são, de modo algum, os únicos motivos, mas eles fornecem um bom lugar para começar nossa discussão.

Primeiro, há muito mais sobre o que concordamos do que o que pode nos dividir. Praticamente, todos os cristãos (sim, há sempre algumas exceções) concordam que:

(1) A Bíblia é a Palavra revelada de Deus; (2) Deus é Trino (Pai, Filho e Espírito Santo); (3) Deus é o Criador e governa sobre a história; (4) a humanidade caiu no pecado e é incapaz de escapar dele ou de suas consequências eternas; (5) Deus escolheu Israel de entre as nações do mundo para ser um farol de luz, verdade e preparar o caminho para a vinda do Messias; (6) Jesus nasceu de uma virgem e encarnou a Segunda Pessoa da Trindade; (7) Jesus viveu uma vida sem pecado, em perfeita obediência à vontade do Pai; (8) Jesus morreu em uma cruz como um sacrifício de substituição para os pecadores, a fim de fazer expiação para as nossas transgressões; (9) Jesus ressuscitou corporalmente dentre os mortos; (10) Jesus subiu à mão direita do Pai; (11) Jesus governa supremamente sobre toda a história; (12) a salvação baseia-se na vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo; (13) a salvação é pela graça mediante a fé no que Cristo realizou para nós; (14) Jesus Cristo retornará pessoalmente e fisicamente para consumar o seu reino; e (15) todos estarão diante de Deus para serem julgados, para a salvação ou condenação.

Sobre estes assuntos, praticamente todos os cristãos professos concordam. Poderíamos acrescentar a estas questões numerosas outras crenças e práticas em que todos concordam: a Igreja de Jesus Cristo, o papel da oração, a importância do batismo e da Ceia do Senhor, a obra do Espírito Santo em santificação, entre outras. As pequenas diferenças que a maioria dos protestantes pode ter em alguns destes assuntos são em grande parte insignificantes em relação à medida que eles concordam.

Segundo, uma razão principal para grande parte do desacordo que existe é simplesmente que alguns textos bíblicos são extremamente difíceis de interpretar. Pedro disse isso sobre o que Paulo escreveu (2 Pedro 3:16). E eu penso que Deus pretendia que fosse assim! Ele inspirou textos difíceis, entre outros motivos, para que não nos tornemos presunçosos, arrogantes e autossuficientes em nossa abordagem e compreensão da Bíblia. Ele inspirou textos difíceis para nos obrigar a orar pela iluminação, a penetrar profundamente no texto, e outros recursos que possam ajudar na nossa compreensão, a fim de nos levar a completar a dependência dele e de sua sabedoria, e não a nossa.

Terceiro, o que aparentemente são interpretações diferentes ou contraditórias de textos bíblicos, são, em análise mais detalhada, diferentes aplicações ou formas diferentes de entender o significado prático de certos textos. Por exemplo, os cristãos diferem amplamente sobre se devem assistir a filmes e, se o fizerem, quais. Eles diferem em suas escolhas políticas. Eles diferem sobre se um cristão deve beber álcool, e se o fizer, quanto. Contudo, estas não são necessariamente diferenças em como interpretam o significado dos textos bíblicos, mas, sim, diferenças quanto à forma como fazemos a aplicação desses textos às escolhas éticas contemporâneas. Assim, por exemplo, uma pessoa cujo pai era alcoólatra e espancava sua família pode concluir que, embora a Bíblia não exija abstinência total, qualquer cristão pensante irá abraçá-la. Outros, que não foram criados em tais circunstâncias, podem muito bem tirar uma conclusão diferente sobre o exercício da liberdade cristã a esse respeito.

Quarto, todos os cristãos são influenciados muito mais pelas suas tradições pessoais do que estão dispostos a reconhecer. O contexto da igreja a partir do qual se vem, seja ou não os pais, os locais e o tempo do nascimento e a cultura mais ampla em que são criados, servem para moldar nossas crenças e desejos e como nos aproximamos da Bíblia muito mais do que nós imaginamos. E as diferenças resultantes em certas interpretações não são, portanto, problema da Bíblia, antes, daqueles que se aproximam e a leem através de diferentes lentes coloridas.

Quinto, muitas vezes, as diferenças de interpretação não são devidas ao fato de que as pessoas sabem ou suspeitam que sua visão pessoal seja incorreta, mas simplesmente porque não gostam de alternativas. Em outras palavras, conheci pessoas que abraçam o universalismo porque não gostam da ideia de pessoas que sofrem em um inferno eterno. Ou, talvez, estejam em desacordo com a visão tradicional do homossexualismo, não porque o texto bíblico seja ambíguo, mas porque eles não veem qualquer outra maneira de amar e apoiar um membro da família ou amigo que tenha declarado ser atraído por alguém do mesmo sexo.

Sexto, estou triste por dizer isso, mas temo que algumas pessoas sustentam diferentes interpretações de textos bíblicos porque, se eles abraçassem o que acreditam sinceramente no que a Bíblia diz, eles estariam em perigo de perder seus empregos, ter sua ordenação rescindida, ou algum resultado desse tipo. Os interesses pessoais e a autopreservação têm um modo estranho de influenciar, muitas vezes inconscientemente, como lemos e interpretamos a Bíblia. E não só as pessoas adotam uma interpretação particular para manter seu emprego, mas também para obter um!

Sétimo, é com uma tristeza ainda maior que reconheço que alguns escolhem uma interpretação particular contra o consenso da tradição cristã porque querem justificar seu próprio pecado. Ceder à interpretação padrão (e provavelmente óbvia) exigiria que eles admitissem que seu comportamento é pecaminoso e exige arrependimento. Todavia, o amor por seu pecado é maior do que o desejo de submeter-se à verdade da Palavra de Deus.

Oitavo, muitas vezes há simplesmente um preconceito pessoal no trabalho. O preconceito pode assumir qualquer número de formas, mas em praticamente todos os casos, levará a interpretações distorcidas de textos que servem para reforçar a forma particular de preconceito em vista.

Nono, muitas vezes, as diferenças de interpretação se devem ao fato de que algumas pessoas são simplesmente menos educadas do que outras. Alguns conhecem bem o grego e o hebraico, enquanto outros apenas leem a Bíblia em português. Alguns são altamente educados no contexto cultural dos textos bíblicos, ao passo que outros sabem pouco a esse respeito.

Não estou sugerindo que apenas pessoas altamente educadas com mestrado, doutorado, podem interpretar corretamente as Escrituras. Na verdade, na maioria das vezes, é o leigo médio que entende mais corretamente e tem maior visão do que outros. Meu ponto é simplesmente que diferentes níveis educacionais podem facilmente contribuir para as diferenças na interpretação do texto bíblico.

Décimo, algumas pessoas não acreditam que a Bíblia é inspirada, inerrante e sempre consistente, e, portanto, não hesitam em concluir que a Bíblia está claramente errada em algumas coisas que afirma. Diferentes interpretações do abate dos cananeus no período do AT são um bom exemplo disso.

Um homem me contou em uma conversa privada que ele discordou da minha posição sobre se uma mulher deveria ou não ser ordenada para o cargo de pastora, pois estava convencido de que o apóstolo Paulo estava errado. Não importava o que o texto dizia sobre o assunto. Não há uma boa razão em seu pensamento do por que as mulheres não devem servir em cargos de autoridade eclesiástica na igreja local, e, portanto, ele se recusou a admitir a possibilidade de que Paulo esteja ensinando de outra forma.

Décimo primeiro, a influência de pais, irmãos e professores sobre a forma como pensamos, o que preferimos e por que lemos certos textos da maneira como fazemos é bastante significativo, e, muitas vezes, novamente, inconsciente. Às vezes, as pessoas têm certas visões sobre questões teológicas porque isso é o que a mãe e o pai acreditavam, ou porque sentiria como se fosse traição se voltassem para um professor da Bíblia amado e respeitado. Ninguém gosta de admitir que as pessoas que mais amamos estavam erradas.

Décimo segundo, uma razão simples, mas não pouco frequente, por trás das diferenças interpretativas é que alguns cristãos não buscam profundamente nas Escrituras. Eles se contentam com o que parece evidente na superfície. Às vezes, eles desenham conclusões interpretativas porque estão lendo uma paráfrase da Bíblia em vez de uma tradução mais literal. O tempo, a dedicação e a pesquisa extensiva podem percorrer um longo caminho para resolver as diferenças interpretativas.

Décimo terceiro, há sempre a possibilidade de uma cultura exercer uma poderosa influência sobre a forma como lemos a Bíblia. As pessoas que vivem no Oriente Médio nem sempre veem as coisas como as pessoas que vivem no Sudão. Ou os cristãos criados no Leste Asiático interpretarão a Bíblia de uma maneira diferente daqueles criados e educados no sul da Califórnia, por exemplo.

É claro, nunca devemos esquecer que o contexto cultural da Bíblia em si é visivelmente diferente do nosso. Em outras palavras, não é simplesmente que trazemos um condicionamento cultural único à maneira como lemos as Escrituras; é também o caso de que as palavras da Escritura refletem o condicionamento cultural de seus muitos autores, o que pode dificultar a interpretação correta das intenções dos autores sacros.

Décimo quarto, há sempre diferenças de personalidade que podem afetar a forma como lemos a Bíblia. Por exemplo, considere a forma como uma pessoa com uma confiança robusta em Deus e a verdade do perdão lerá certos textos diferente de uma pessoa com uma consciência extremamente sensível e terna poderá lê-los. Os humildes podem ler e aplicar textos de uma maneira totalmente diferente daqueles que são arrogantes e auto-assertivos.

Inúmeras outras diferenças na personalidade podem exercer influência poderosa sobre o que nos permitimos ver na Bíblia. Uma pessoa inclinada para o legalismo lerá textos de forma diferente do que um antinomiano de espírito livre. Uma pessoa dedicada ao isolamento e ao separatismo lerá e aplicará textos de uma forma que difere de uma pessoa que é mais inclusiva e acolhedora de outros.

Ao mesmo tempo em que exercemos a nossa responsabilidade dada por Deus de interpretar as Escrituras, devemos estar conscientes do elemento da subjetividade que influencia toda a interpretação. Interpretar a Bíblia não deve ser comparado a um homem que olha para um aquário, mas para um peixe em seu próprio aquário olhando para outro peixe!

Décimo quinto, e, finalmente, a experiência pessoal do passado tem uma grande influência sobre a forma como lemos a Bíblia. Uma pessoa criada em uma igreja onde a disciplina para o pecado escandaloso nunca ocorreu pode ter uma maneira diferente de interpretar certos textos como contra a pessoa que foi ferida pela disciplina excessiva e pesada que foi imposta a um amado ou amigo da família. Há, provavelmente, inúmeras outras maneiras pelas quais a experiência pessoal, tanto dentro como fora da igreja, afetou nossa capacidade e vontade de ler o texto bíblico de forma objetiva e justa.

Gostaria também de mencionar, em conclusão, que muitas vezes é o caso de diferenças aparentes serem precisamente isso, apenas aparente. Quando um estudo mais profundo é realizado, descobre-se que o que, a princípio, parecia ser uma contradição ou uma diferença, na verdade não é nada do tipo, mas é totalmente complementar e harmonioso.

Não estou afirmando que esses pontos eliminem o problema do “pluralismo interpretativo generalizado”, mas espero ter trazido uma medida de perspectiva para o problema. De qualquer forma, aceito o desafio que nossas diferenças trazem para o corpo de Cristo. Que possamos responder a esta realidade inescapável, ouvindo e lendo mais os outros e ao que a Bíblia está realmente dizendo.

 

 

Autor: Sam Storms

Fonte: Sam Storms

Tradução: Leonardo Dâmaso

Divulgação: Reformados 21

 

 

Reformados 21. Todos os direitos reservados. Você está autorizado a compartilhar os artigos deste site para republicações, desde que informe o autor, tradutor (quando houver) e as fontes principais e intermediárias, inclusive o Reformados 21. Não é permitido a alteração do conteúdo original e a utilização para fins comerciais.

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso
Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET - Junta de Educação Teológica do IRSE - Instituto Reformado Santo Evangelho.