Pensamentos Sobre a Restauração de Pastores Caídos (Parte 1)

Share

Quando um pastor se torna desqualificado para o ministério, ele está desqualificado para voltar a exercê-lo? Se a resposta for sim, por quanto tempo? Para sempre? Ele pode ser restaurado? Em quanto tempo?

Esses tipos de perguntas não são novas, mas elas parecem mais relevantes do que nunca. Embora existam muitos artigos sobre “pastores caídos”, fiquei surpreso ao descobrir que poucos lidam com essas questões de forma profunda. Não pretendo fornecer neste artigo um tratamento abrangente de um assunto tão difícil, mas quero compartilhar algumas reflexões bíblicas e implicações práticas que eu tenho aprendido ao longo do tempo. Penso que este assunto é para muitos. Cabe-nos pensar com cuidado e biblicamente sobre ele.

O que desqualifica um pastor?

O que eu acho interessante nestes dias não são quantos pastores foram desqualificados, mas quantos não estão qualificados. Vivemos um tempo em que qualquer um que seja expressivo e tenha um espírito empreendedor e criativo pode plantar uma igreja e até mesmo ser bem sucedido com ela. Mas dons não são qualificações. Alguns parecem discutir este assunto como se não tivéssemos uma orientação bíblica clara sobre o que qualifica um homem para ser pastor. Exceto o que fazemos. Aqui está uma lista austera, composta das três passagens primárias sobre a qualificação pastoral (1 Timóteo 3, Tito 1 e 1 Pedro 5):

  1. Fiel sexualmente/maritalmente
  2. Bom administrador da família
  3. Humilde
  4. Gentil
  5. Sóbrio
  6. Pacífico
  7. Financeiramente responsável
  8. Hospitaleiro
  9. Controlado/equilibrado
  10. Justo
  11. Comprometido com a santidade
  12. Capaz de ensinar
  13. Espiritualmente maduro (não um novo convertido)
  14. Respeitável (e respeitado pelas pessoas de fora)
  15. Um bom exemplo para a igreja

Os evangélicos parecem mais preocupados em discutir a desqualificação em relação ao adultério – o que, para ser claro, é desqualificante – do que estendermos o diálogo sobre a desqualificação de pastores de temperamento explosivo, questionadores ou desequilibrados. A “queda” de Mark Driscoll é, provavelmente, a mais próxima que o meu grupo particular chegou a contar com as qualificações de pleno direito para o ministério, mas ainda não é um conceito amplamente compreendido na era dos “pastores-celebridade”. De fato, penso em muitos grupos, tradições e nas “outras qualificações bíblicas para o ministério” que foram negligenciadas há muito tempo. Além disso, como explicar que foi apenas uma vez que um ministro prepotente, financeiramente irresponsável e desequilibrado cometeu adultério e finalmente foi removido da sua função?

A linha fundamental é que a porta para o ministério pastoral é muito bem trancada. Não é aberta para qualquer um que se “sinta chamado”. Além do talento e da ambição, requer maturidade, provas e uma longa obediência numa mesma direção. Por isso, quando um pastor se desqualifica, estamos lidando com um problema em um nível diferente do mesmo problema dos pecados dignos de disciplina entre os crentes. Não é porque os pastores sejam super-crentes ou possuem mais bênçãos de Deus do que os demais crentes, mas, sim, que o ministério de liderança exige um padrão mais elevado.

Os pastores desqualificados podem ser restaurados?

A primeira coisa que devemos argumentar é que muitas vezes falamos sobre dois tipos diferentes de restauração sem sabermos. Muitos dos problemas do evangelicalismo com os escândalos dos “pastores-celebridades” que se desqualificam resultam de uma incapacidade, uma falta de vontade para distinguir entre uma restauração e um ministério vocacional de uma restauração à comunidade. Em relação ao último, a resposta deve ser um sim inequívoco. Qualquer crente que tenha caído moralmente, pastor ou não, deve ser totalmente restaurado à comunidade cristã, dado o arrependimento e o processo de restauração de sua igreja.

É por isso que devemos ter cuidado com a nossa crítica. Às vezes, quando argumentamos contra a restauração de certos ministros ao púlpito, parece que negamos a capacidade de se juntarem à comunhão dos crentes. E, às vezes, quando estamos chateados com o alto padrão de algum conjunto para o púlpito, chamamos os outros desajeitadamente quando, de fato, estão prontos para receber qualquer pecador arrependido pelo calor da comunhão cristã.

O que estamos falando aqui é especificamente o seguinte: um pastor que se desqualificou – de alguma maneira – é restaurado para o ministério pastoral? Em outras palavras, um pastor desqualificado pode ser requalificado? Esta é uma questão bastante controversa em si mesma, porque muitos respondem “não” a esta primeira consideração. Por exemplo, John MacArthur escreve :

Há alguns pecados que destroem irremediavelmente a reputação de um homem e o desqualificam para um ministério de liderança para sempre. Mesmo Paulo, homem de Deus que era, disse que temia tal possibilidade. Em 1 Coríntios 9:27, ele diz: “Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado”.

Ao se referir ao seu corpo, Paulo, obviamente, tinha a imoralidade sexual à vista. Em 1 Coríntios 6:18, ele o descreve como um pecado contra o próprio corpo – o pecado sexual está em sua própria categoria. Certamente, desqualifica um homem da liderança da igreja, uma vez que ele permanentemente perde uma reputação irrepreensível com uma única mulher (Provérbios 6:33; 1 Timóteo 3:2).

Eu vou um pouco além aqui, mas não discordo do pastor MacArthur. Primeiro, se um pecado anterior desclassifica para sempre um homem, Paulo já teria sido desqualificado por sua vida de perseguição assassina aos cristãos. Certamente, o pecado cometido depois que alguém está unido a Cristo é, de certa forma, mais grave do que o pecado cometido antes da conversão – não é apenas grave como condenável, é claro, ao contrário da nova natureza –, mas, se alguém puder ser considerado para sempre culpado, isso parece impedir o mesmo do ministério. A graça cobre qualquer pecado arrependido ou não abrange nenhum.

Eu também não acho convincente a exegese de MacArthur. Ele coloca 1 Coríntios 9:27 no contexto de 1 Coríntios 6:18 para argumentar que Paulo tem em mente a imoralidade sexual. Mas isso não parece ser o que Paulo está dizendo no contexto imediato do capítulo 9. O versículo 27 apresenta uma longa passagem explicativa sobre a filosofia missionária de Paulo, mostrando sua preocupação em ser “tudo para com todos” (v 22). Ele, naturalmente, menciona “autocontrole” (v. 25), mas é em relação ao treinamento. Isso não exclui qualquer consideração de se proteger contra a imoralidade sexual, é claro, mas a “desqualificação” referida no versículo 27 não parece estar conectada a uma falha moral, mas a uma missão. Em outras palavras, resulta da trajetória de seu raciocínio ao longo do capítulo, de que a “qualificação” em pauta é sobre se recomendar tanto ao judeu quanto ao grego (v. 19-23). Ele não quer ficar sem a versatilidade missionária. É por isso que ele derrama muita tinta mais cedo na passagem no pagamento para o ministro e outros. Ele continua a discutir sua disciplina em relação à lei cerimonial como uma consideração missionária. Ele está falando em grande parte de contextualização e usabilidade pessoal. Com isso, nós não tomamos a questão sexual inteiramente fora da equação, mas parece que a desqualificação que ele tem em mente tem mais a ver com a desqualificação do acesso à pregação aos grupos de pessoas (como ele menciona no versículo em pauta) do que a desqualificação do ministério inteiramente. Eu analiso o contexto imediato para ter mais orientação na compreensão de 9:27 do que um versículo em três capítulos anteriores.

Diante de tudo, obviamente sabemos que a imoralidade sexual é desqualificante para os pastores devido às referências mais diretas que nos dão as qualificações bíblicas para o ministério. Uma delas é encontrada, como MacArthur menciona, em 1 Timóteo 3:2. Mas a questão que realmente estamos tentando entender é se esta desqualificação é permanente. Mesmo que usemos 1 Coríntios 9:27 para se referir a uma falha moral, Paulo não diz nada sobre a permanência de tal desqualificação. MacArthur acrescenta a palavra “permanentemente” à sua exposição, mas não é encontrada no texto. O que podemos concordar, eu presumo, é que aqueles que procuram qualificação para o ministério pastoral – de acordo com 1 Timóteo 3, Tito 1 e 1 Pedro 5 – devem ter uma reputação bem estabelecida e ampla afirmação das qualidades listadas. (Eu vou voltar a essa última frase daqui a pouco, então não se esqueça disso.)

Sobre este assunto, John Piper escreve:

É possível restaurar um pastor que pecou sexualmente, mas que se arrependeu? Ou o tal pastor está desqualificado porque ele já não cumpre a qualificação de estar “acima da reprovação”?

Receio que se eu responder isso do jeito que eu deveria, dará a licença necessária para restaurar os pastores muito rapidamente. Mas, como eu devo

Em última análise, acho que a resposta é sim. Um pastor que pecou sexualmente pode ser um pastor novamente. E eu digo que é apenas por causa da graça de Deus e o fato de que “acima da reprovação” pode ser restaurado, provavelmente.

Eu concordo com Piper sobre isso, e acho que há muito envolvido no “provavelmente” que devemos investigar. Mas, primeiro, temos algum precedente bíblico para a restauração de um pastor caído? Bem, na verdade, de um certo modo, temos.

 

 

Pensamentos Sobre a Restauração de Pastores Caídos (Parte 2)

Pensamentos Sobre a Restauração de Pastores Caídos (Parte 3)

 

 

Autor: Jared Wilson

Tradução: Leonardo Dâmaso

Divulgação: Reformados 21

 

 

Reformados 21. Todos os direitos reservados. Você está autorizado a compartilhar os artigos deste site para republicações, desde que informe o autor, tradutor (quando houver) e as fontes principais e intermediárias, inclusive o Reformados 21. Não é permitido a alteração do conteúdo original e a utilização para fins comerciais.

 

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso
Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET - Junta de Educação Teológica do IRSE - Instituto Reformado Santo Evangelho.