30 de Novembro – Compreendendo Relações

Share

Na Bíblia, a imagem suprema feminina é atribuída à igreja. Antes que a igreja seja vista como mãe, todavia, ela é revelada pela primeira vez como uma noiva. No Antigo Testamento, a comunidade de Israel é a noiva de Javé. No Novo Testamento, a igreja é a noiva de Cristo.

As imagens familiares resultantes são um pouco estranhas. Deus é o Pai; Cristo é o Filho. Como o Filho de Deus, Cristo é referido como nosso irmão mais velho. A igreja é a noiva dele. Na linguagem da família, isso significaria que a igreja é a nossa cunhada. Mas ninguém fala da santa igreja como cunhada dos cristãos.

Nós, homens e mulheres, recebemos o título de “noiva de Cristo”. Sou homem, mas sou parte de um corpo que é descrito em termos femininos. O que é mais estranho é que a mesma entidade que se chama noiva, da qual sou parte, é considerada minha mãe. Não posso ser minha própria mãe.

Essas imagens não são o resultado de uma bobagem ou confusão. Não é uma questão de absurdo referir-se à igreja como mãe. Embora nasçamos do Espírito, é principalmente dentro do berço da igreja onde obtemos vida espiritual. Se a igreja não é nosso local de nascimento, certamente é o nosso berçário. É neste lugar que os meios de graça estão concentrados. A igreja nos nutre para a fé madura.

Na presença de Deus

Reflita sobre como Deus usou a igreja para o seu nascimento, para nutrir você e amadurecer sua fé. Agradeça a Deus por esse processo divino que está em ação em você.

Passagens para estudo adicional

1 João 3:1-2; João 1:12

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso

Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET – Junta de Educação Teológica do IRSE – Instituto Reformado Santo Evangelho.