Por Que o Homossexualismo Não é Como os Outros Pecados?

Share

O homossexualismo não é o único pecado mencionado em 1 Coríntios 6:9-10.

Ou vocês não sabem que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não se enganem: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem afeminados, nem homossexuais, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o Reino de Deus. (NAA)

Não é o único pecado mencionado, mas é diferente dos demais, pelo menos agora. Neste momento da história, contrariamente aos outros pecados listados aqui, o homossexualismo é celebrado pela sociedade em geral com grande entusiasmo. É visto como uma coisa boa, como a nova marca do progresso.

Indubitavelmente, cada vez mais as pessoas não fazem distinção do pecado em geral. Muitas delas são idólatras, para não mencionar aqueles que são sexualmente imorais, que cometem adultério, que roubam, são gananciosos, transviados, irritam os vizinhos e enganam os outros. Isso acontece o tempo todo. E cada um desses pecados não arrependidos é o mesmo no sentido que merece o julgamento de Deus. Todos merecem a sua ira. E, constantemente, lembramos que “alguns de vocês foram assim” (1 Coríntios 6:11). Você na igreja.

Sobre a Opinião Popular

Mas, tanto quanto eu sei, nenhum desses pecados é aplaudido de forma tão acentuada por grupos inteiros de pessoas que defendem sua normalidade. A imoralidade sexual não é mais a ponta da lança para o impulso progressivo. O adultério ainda é mal visto por muitos. Acusações de ganância ainda mancham a campanha política de um candidato. O roubo ainda não é adotado publicamente, e não há iniciativas oficiais dizendo que está tudo certo em pegar coisas que não pertencem a você. Ainda não existe uma agenda ébria. A maioria não se orgulha de escolher uma bebida estando sóbrio, e não há petições de que o governo deva abolir as restrições de condução de indivíduos embriagados. Insultar os outros ainda não é visto como a melhor maneira de ganhar amigos e influenciar pessoas. A escravidão, especialmente a nível corporativo, costuma levar alguém para a prisão. De fato, a infraestrutura da economia americana depende, em certa medida, do nosso desdém compartilhado por golpistas coniventes.

Talvez, com exceção da fornicação, esses pecados ainda são vistos em uma luz bastante negativa. Mas não a prática homossexual, não por aqueles que agora estão falando mais alto e ocupando posições de proeminência. De acordo com o consenso emergente, a homossexualidade é diferente.

O que está em oposição

Como cristãos, acreditamos com sinceridade profunda, que apoiar a prática homossexual, juntamente com outros pecados, mantém as pessoas fora do reino de Deus. Mas, se a sociedade celebra isso, não podemos ser omissos nem dizer qualquer coisa. Muito está em jogo. Isso significa que é uma simplificação excessiva dizer que os cristãos – ou evangélicos conservadores – são simplesmente contra o homossexualismo. Nós somos contra qualquer pecado que restringe as pessoas da alegria eterna em Deus, e a prática homossexual recebe toda a ênfase, porque, neste momento cultural, é o principal pecado que está sendo endossado em nosso contexto pelos sistemas existentes.

Esperemos que, se houver uma nova agenda cultural que promova o roubo – onde será dito que agora é o nosso direito de tomar tudo o que queremos dos outros por qualquer meio – os cristãos irão se expressar contra isso. A questão é pecado. É o que estamos contra. E isso é o que deve tornar nossa voz singular quando falamos neste debate.

Alguns gostariam de ver toda essa questão do homossexualismo dividida em dois campos: aqueles que o celebram e aqueles que o odeiam. Ambos os grupos existem em nossa sociedade. Há números crescentes, sob grande pressão social, que louvam o homossexualismo. Podemos chamá-los de esquerda. E há pessoas que odeiam o homossexualismo, com o raciocínio mais intolerável e além de qualquer preocupação cristã. Podemos chamá-los de direita.

Estas gloriosas palavras    

O debate atual é importunado por essa lente binária. Os que estão à esquerda tentam agrupar todos os que não concordam com eles neste lado direito. Se você não apoiar, você odeia. Enquanto isso, aqueles à direita seguem comprometidos com qualquer um que não tenha o rosto vermelho e seja militante. Se você não odiar, você apoia.

Entretanto, os verdadeiros seguidores de Cristo não seguirão nenhum destes caminhos. Temos algo a dizer que ninguém mais está a dizer, ou pode dizer.

Distanciando-nos da esquerda e da direita, não celebramos a prática homossexual; reconhecemos claramente, pela Palavra de Deus que nos foi revelada, que o homossexualismo é pecado. E não odiamos aqueles que aderem à homossexualidade; nós os amamos o suficiente não apenas para cedermos à pressão da sociedade. Nós falamos a verdade em amor em meio a esta confusão, dizendo simultaneamente: “Isto é errado” e “Eu amo você”. Não somos a esquerda; nós dizemos que isso é errado . E não somos a direita; nós dizemos: você é amado (a). Nós falamos das boas novas, com as palavras mais doces, profundas e gloriosas da cruz – as mesmas palavras que Deus nos falou: “Você está errado e você é amado”.

Deus nos diz que estamos errados, que o salário do pecado é a morte, que a rebelião impenitente acarreta o julgamento, que nosso resgate exigiu a morte amaldiçoada de seu Filho (Romanos 6:23 , João 3:36, Gálatas 3:13). E Deus nos diz que somos amados, que, mesmo enquanto nós éramos pecadores, Jesus morreu por nós, que, enquanto éramos injustos, Jesus sofreu em nosso lugar, e embora fôssemos destinados à ira, Jesus nos acolhe na glória (Romanos 5: 8; 1 Pedro 3:18; Efésios 2:1-7).

Onde o Evangelho brilha

Você está enganado e você é amado – essa é a única voz do cristão. Isso é o que dizemos, falando de nossa própria experiência, como Tim Keller diz muito bem: “Estamos muito piores do que imaginamos, e muito mais amados do que jamais poderíamos imaginar”.

Essa é a nossa mensagem neste debate. Quando as elites da sociedade nos desprezam, quando as canções pop nos depreciam, quando ninguém mais tem recursos para dizer nada fora de dois extremos, temos essa oportunidade incomparável de deixar o evangelho brilhar para alcançar a graça: você está errado e você é amado. Nós conseguimos dizer isso.

É por isso que o homossexualismo não é como os outros pecados.

 

 

Autor: Jonathan Parnell

Fonte: deseringGod

Tradução: Leonardo Dâmaso

Divulgação: Reformados 21

 

 

Reformados 21. Todos os direitos reservados. Você está autorizado a compartilhar os artigos deste site para republicações, desde que informe o autor, tradutor (quando houver) e as fontes principais e intermediárias, inclusive o Reformados 21. Não é permitido a alteração do conteúdo original e a utilização para fins comerciais.

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso

Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET – Junta de Educação Teológica do IRSE – Instituto Reformado Santo Evangelho.