Os 10 Mitos Feministas Mais Comuns

Share
  1. Uma em cada quatro mulheres na universidade foram vitimas de estupro ou de tentativa de estupro.

Fato: A mãe de todos os factóides é baseada em um estudo feminista falacioso encomendado pela Ms. magazine. A pesquisadora, Mary Koss, escolhida a dedo pela feminista radical Gloria Steinem, reconhece que 73% das mulheres jovens que ela contou como vítimas de estupro não tinham conhecimento que haviam sido estupradas. 43% por cento delas estavam namorando seu “agressor” novamente.

Estupro é um crime exclusivamente horrível. É por isso que precisamos de sobriedade e responsabilidade na pesquisa. As mulheres não serão ajudadas por hipérboles e histeria. A verdade não é inimiga da compaixão, e a falsidade não é amiga.

(Nara Schoenberg and Sam Roe, “The Making of an Epidemic,” Toledo Blade, October 10, 1993; and Neil Gilbert, “Examining the Facts: Advocacy Research Overstates the Incidence of Data and Acquaintance Rape,” Current Controversies in Family Violence eds. Richard Gelles and Donileen Loseke, Newbury Park, CA.: Sage Publications, 1993, pp.120-132; and Campus Crime and Security, Washington, D.C.: U.S. Department of Education, 1997. *According to this study, campus police reported 1,310 forcible sex offenses on U.S. campuses in one year. That works out to an average of fewer than one rape per campus.)

  1. Mito: As mulheres ganham 75 centavos para cada dólar que um homem ganha.

Fato: A idéia dos 75 centavos é terrivelmente enganosa. Esta estatística é uma breve estimativa de todos os atuais trabalhadores de tempo integral. Ela não considera fatores importantes, como período de tempo no local de trabalho, educação, ocupação e número de horas trabalhadas por semana. (A diferença de experiência é particularmente grande entre homens e mulheres mais velhos no local de trabalho.) Quando os economistas fazem o controle adequado, a chamada ‘diferença salarial’ entre homens e mulheres se estreita a ponto de desaparecer.

(Essential reading: Women’s Figures: An Illustrated Guide to the Economic Progress of Women in America, by Diana Furchtgott-Roth and Christine Stolba, published by the Independent Women’s Forum and the American Enterprise Institute, Washington, D.C. 2000.)

  1. Mito: 30% dos atendimentos de emergência por ano a mulheres são o resultado de lesões causadas por violência doméstica.

Fato: Esta estatística alarmante é promovida pelas feministas radicais, cujo principal objetivo parece ser impugnar os homens. Dois estudos governamentais confiáveis informam que essa situação de âmbito nacional está mais perto de 1%. Embora estes estudos possam ter omitido alguns casos de violência doméstica, a porcentagem de 30% é um grande exagero.

(National Center for Health Statistics, National Hospital Ambulatory Medical Care Survey: 1992 Emergency Department Summary , Hyattsville, Maryland, March 1997; and U.S. Bureau of Justice Statistics, Violence-Related Injuries Treated in Hospital Emergency Departments: Washington, D.C., August 1997.)

  1. Mito: A “regra do polegar”1 se originou no direito de um homem bater em sua esposa, desde que a largura do porrete não fosse maior do que o seu polegar.

Fato: Isso é uma lenda urbana que ainda é levada a sério por ativistas [professores de direito e palestrantes de seminários sobre assédio sexual]. O Dicionário Oxford de Inglês tem mais de vinte citações de “regra do polegar” (o mais antigo de 1692), e nenhuma única menção de espancamentos, porretes, ou esposas e maridos.

(For a definitive debunking of the hoax see Henry Ansgar Kelly, “Rule of Thumb and the Folklaw of the Husband’s Stick,” The Journal of Legal Education, September 1994.)

  1. Mito: As mulheres têm sido enganadas em pesquisas médicas.

Fato: O Instituto Nacional de Saúde (NIH) e as indústrias farmacêuticas rotineiramente incluem as mulheres em ensaios clínicos de testes para a eficácia de medicamentos. Em 1979, mais de 90% de todos os testes financiados pelo NIH incluía mulheres. No início de 1985, quando o Centro Nacional de Câncer do NIH começou a manter um controle financeiro sobre os gastos com o câncer, soube-se que foi gasto anualmente mais dinheiro com o câncer de mama do que com qualquer outro tipo de câncer. Atualmente, a temática ‘mulheres’ representa mais de 60% de todos os ensaios clínicos financiados pelo NIH.

(Essential reading: Cathy Young and Sally Satel, “The Myth of Gender Bias in Medicine,” Washington, D.C.: The Women’s Freedom Network, 1997.)

  1. Mito: Garotas têm sido prejudicadas nas nossas escolas devido ao preconceito de gênero.

Fato: Nenhuma pessoa imparcial pode rever os dados sobre educação e concluir que as meninas estão em desvantagem. Os meninos estão um pouco à frente das meninas em matemática e ciências; meninas estão dramaticamente à frente na leitura e escrita. (A escrita de garotos de 17 anos está no mesmo nível que a das garotas de 14 anos.) Garotas tiram melhores notas, mas os meninos têm aspirações mais altas, e eles são mais propensos a ir para a faculdade.

(See: Trends in Educational Equity of Girls & Women, Washington, D. C.: U.S. Department of Education, June 2000.)

  1. Mito: “Nossas escolas são campos de treinamento do assédio sexual (…) os meninos raramente são punidos, enquanto as meninas são ensinadas que é o seu papel de tolerar esta conduta humilhante”.

(National Organization of Women, “Issue Report: Sexual Harassment,” April 1998.)

Fato: “Hostile Hallways” é o estudo mais conhecido de assédio nas classes da 8ª série até as da 3ª série do ensino médio. Foi encomendado pela Associação Americana de Mulheres Universitárias (AAUW) em 1993, e é o favorito de muitos especialistas em assédio sexual. Mas esta pesquisa revelou que as meninas estão cometendo quase tanto assédio quanto os meninos. Segundo o estudo, “85% das meninas e 76 % dos meninos entrevistados disseram que experimentaram indesejados e desagradáveis comportamentos sexuais que interferem em suas vidas.”

(Quatro estudiosos da Universidade de Michigan fizeram um estudo complementar meticuloso dos dados da AAUW e concluíram: “A maioria de ambos os sexos (53%) se descreveram como tendo sido vítima e autor de assédio – ou seja, a maioria dos alunos tinha sido assediado e estiveram assediando outros.” E estes pesquisadores chegaram à conclusão certa: “Nossos resultados nos levaram a questionar o modelo simplório de agressor-vítima…”)

(See: American Education Research Journal, Summer 1996.)

  1. Mito: As meninas sofrem uma perda dramática de auto-estima durante a adolescência.

Fato: Este mito da Incrível Menina que Encolheu2 foi iniciado por Carol Gilligan, professora de estudos de gênero na Harvard Graduate School of Education. Gilligan sempre gozou de maior prestígio entre as ativistas feministas e jornalistas do que entre os pesquisadores acadêmicos em psicologia. Estudiosos que seguem os protocolos da ciência social rejeitam a realidade de uma “crise” de confiança na adolescente e uma “perda da voz.” Em 1993, uma psicóloga americana relatou o novo consenso entre os pesquisadores no desenvolvimento do adolescente: “Sabe-se agora que a maioria dos adolescentes de ambos os sexos adaptam-se com sucesso a este período de desenvolvimento, sem qualquer distúrbio psicológico ou emocional grande e desenvolvem um senso positivo de identidade pessoal.”

(Anne C. Petersen et al. “Depression in Adolescence,” American Psychologist February 1993; see also, Daniel Offer, and Kimberly Schonert-Reichl, “Debunking the Myths of Adolescence: Findings from Recent Research,” Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, November 1992.)

  1. Mito: O gênero é uma construção social.

Fato: Embora o ambiente e a socialização desempenhem um papel significativo na vida humana, um volume cada vez maior de pesquisas em neurociência, endocrinologia e psicologia nos últimos 40 anos sugere que há uma base biológica para as diferenças sexuais em muitas aptidões e preferências. Em geral, os machos têm melhor capacidade de raciocínio espacial; fêmeas melhores habilidades verbais. Os machos assumem mais riscos; fêmeas são mais carinhosas.

É óbvio que isso não significa que as mulheres devem ser impedidas de buscar seus objetivos em qualquer área que escolher; o que ela sugere é que não devemos esperar que haja paridade em todos os campos. Mais mulheres do que homens continuarão a querer ficar em casa com crianças pequenas e seguir carreiras em áreas como educação infantil ou psicologia; homens continuarão a ser maioria em áreas como mecânica de helicóptero e de engenharia hidráulica.

Aviso: A maioria dos estudiosos de gênero em nossas universidades têm títulos acadêmicos em áreas como Inglês ou literatura comparativa e não em biologia ou neurociência. Estes peritos auto-intitulados em sexualidade são cientificamente analfabetos. Eles substituem o estudo fundamentado por dogmas e propaganda.

(For a review of recent findings on sex differences see a special issue of The Scientific American “Men: The Scientific Truth,” Fall 2000.)

  1. Mito: O Departamento de Estudos Feministas deu poder e voz às mulheres na academia.

Fato: O Departamento de Estudos Feministas delegou poderes a um pequeno grupo de carreiristas unidas por convicções comuns. Elas criaram um ‘Clube da Luluzinha’ mais elitista, inflexível e fechado que qualquer grupo masculino que elas criticam intensamente. Um grande número de mulheres acadêmicas [moderadas ou dissidentes] tem sido marginalizadas, excluídas e silenciadas.

(Essential reading: everything by Camille Paglia; Daphne Patai and Noretta Koertge–Professing Feminism: Cautionary Tales from the Strange World of Women’s Studies; and Christina Hoff Sommers–Who Stole Feminism? How Women have Betrayed Women)

 

 

NOTAS:

  1. “Regra do polegar” é uma tradução literal da expressão idiomática “Rule of Thumb”, que significa tomar uma decisão baseada no empirismo, prática e/ou experiência própria, ao invés de se adotar métodos respaldados pela ciência ou baseados em alguma teoria.
  2. Carol Gilligan causou uma histeria generalizada quando espalhou, sem qualquer evidência plausível, que as meninas americanas estavam sendo psicologicamente esgotadas, socialmente “silenciadas” e academicamente “enganadas”.

 

 

Autor: Desconhecido

Fonte: Exposing Feminist

Tradução: Direita Realista

Via: Direita Realista

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso
Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET - Junta de Educação Teológica do IRSE - Instituto Reformado Santo Evangelho.