Rejeitando a Imagem Perfeita em um Mundo de Facebook

Share

Uma jovem mãe que eu tinha aconselhado há alguns anos estava de volta na cidade para uma visita, depois de ter se mudado. Perto do fim de nosso tempo juntas, enquanto estava reunindo seus três filhos jovens para sair, ela disse em um tom abafado para mim: “Lembro de uma vez que você me contou sobre um ano horrível com sua filha mais velha, quando ela tinha 2 anos. Você não disse que uma vez teve que chamar o seu marido em casa do trabalho para discipliná-la por causa de uma grande birra? Tem sido esse tipo de ano para nós”. Ouvi a necessidade de esperança em sua voz quando ela me surpreendeu, lembrando-me de algo que eu havia compartilhado anos atrás.

Sim, este foi o ano que meu marido teve que perseguir nossa filha em torno do porão da igreja para ela receber uma surra depois de ficar em apuros na escola dominical. E é um exemplo que tenho compartilhado com muitas mães jovens. Por quê? Porque essa mesma rebelde de 2 anos de idade é agora a mais doce, delicada e submissa menina de 12 anos de idade que você pode imaginar. A maioria das pessoas que a conhecem agora não acreditaria em mim, se eu lhes contasse aquela história. Mas, como já falei com outras mães jovens que lutam com os anos de “NÃO!”, tenho percebido que compartilhar minhas próprias lutas traz esperança.

Imagem Perfeita? 

Há uma tentação em nosso mundo de Facebook de fazer com que nossas vidas aparentem a imagem da perfeição. Estamos sempre sorrindo, nossos filhos estão vestindo roupas combinando, nossas férias incríveis sem aborrecimentos são postadas para que todos vejam, e o pão caseiro cozido por nós com trigo cultivado em nosso jardim orgânico faz com que todos com um saco de batatas fritas aberto sintam-se como perdedores. Mas, será que este retrato comunica graça para aqueles que nos rodeiam? Será que os outros olham para as nossas vidas e se sentem com ciúmes por não estarem à altura, ou será que eles sabem de nossas lutas e imperfeições na vida? A tentação de querer parecer perfeito diante dos outros é um exemplo de orgulho em exibição. Ele alimenta o nosso ego a medida que sutilmente derrubamos outras pessoas que aparentemente têm muitos problemas que nunca tivemos. Mas Paulo nos lembra de uma maneira melhor:

Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo. Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros. Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana. (Filipenses 2:3-7)

O único exemplo de imagem perfeita é encontrado em Jesus Cristo. Deveríamos estar emulando seu exemplo de abrangente humildade até a morte, e não estar tentando provar que somos melhores do que os outros.

Valor da Transparência

Aqui estão quatro breves razões para sermos transparentes com o outro, ao invés de nos escondermos por trás de nossas brilhantes facetas de “perfeição”.

1. A transparência demonstra humildade

Quando estou disposta a compartilhar sobre a rebelião do meu filho, ou que estou lutando com o autocontrole em relação à comida, estou permitindo que outras pessoas vejam minha imperfeição. Estou abrindo a janela do meu coração para que os outros vejam o pecado e falem comigo sobre isso. A imagem perfeita é apagada, sim, mas as pessoas podem finalmente nos ver e conhecer por quem realmente somos.

2. A transparência serve os outros

Assim como a jovem mãe que queria ser lembrada dos meus problemas de disciplina com a minha filha, compartilhar nossas lutas pode ser um meio de graça na vida de outros. De repente alguém se identifica com a gente. E Deus pode usar esse momento para nos permitir falar a verdade para um amigo. Oferecemos uma plataforma para a conversa, porque temos lutado de forma semelhante.

3. A transparência revela nossa necessidade dos outros

Abaixar a guarda e não fingir que nossas vidas são perfeitas demonstra a nossa necessidade da igreja local. Precisamos de nossos irmãos e irmãs para nos confortar quando estamos tristes, para nos encorajar a perseverar quando estamos prestes a desistir, e para nos apontar Jesus quando somos tentados ao desespero. Nós não fomos feitos cristãos para vivermos sozinhos.

4. A transparência revela nossa necessidade do evangelho 

Não há nada como admitir que surtei novamente com o meu filho por tocar as notas erradas do piano para mostrar a mim mesma que tenho uma necessidade desesperada de um Salvador. Confessar nosso pecado aos outros nos lembra por que o evangelho é tão precioso. A vida de imagem perfeita do Facebook não enviará ninguém ao céu. Somente o lavar do sangue de Cristo irá fornecer a perfeição necessária para entrar no reino de Deus.

Apenas Um

Tome um momento para avaliar sua vida. O que suas palavras, suas ações, suas atualizações de status demonstram? Você ainda está pedindo oração em um grupo pequeno pelo dedão do pé de seu tio, ou você está confessando sua própria luta com raiva e ressentimento?

Amigos, nossa própria vulnerabilidade permite-nos ser um meio de graça para os outros e aponta para o único Ser perfeito que pode curar nossas almas feridas.

 

 

Autora: Stacy Reaoch

Fonte: The Gospel Coalition

Tradução: Leonardo Dâmaso

Divulgação: Reformados 21

 

 

Reformados 21. Todos os direitos reservados. Você está autorizado a compartilhar os artigos deste site para republicações, desde que informe o autor, tradutor (quando houver) e as fontes principais e intermediárias, inclusive o Reformados 21. Não é permitido a alteração do conteúdo original e a utilização para fins comerciais.

 

 

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso

Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET – Junta de Educação Teológica do IRSE – Instituto Reformado Santo Evangelho.