Por que um Ministério de Mulheres?

Share

Recentemente recebi esta pergunta de uma mulher que se descreve como complementarista numa igreja cheia principalmente de igualitários. Como deveria ela responder? Como pode ela expressar o valor do ministério de mulheres para aqueles que acreditam que os papéis dos homens e das mulheres na igreja devem ser idênticos?

A questão surge muitas vezes, e com a mesma frequência de vários contextos complementaristas. Por que não deveriam as mulheres simplesmente participar dos cultos na igreja, dos pequenos grupos e vários outros ministérios juntamente com o restante do corpo, ao invés de criar-se um novo ministério focado nas mulheres?

Vou sugerir cinco respostas a esta questão; não são as únicas respostas, é claro, mas algumas respostas iniciais que podem conectar em parte com os igualitários. Se vamos falar sobre ministério de mulheres, devemos estar prontas a responder a esta questão clara e biblicamente. (Uma discussão muito mais detalhada pode ser encontrada no livro “Ministério de Mulheres: Amando e Servindo a Igreja por Meio da Palavra”)

Resposta 1: Um ministério formal de mulheres não é essencial

É verdadeiramente importante mencionar que o ministério de mulheres não é um requerimento bíblico. A Bíblia não manda os cristãos organizarem pequenos grupos, ou grupos de estudo da Bíblia ou reuniões especiais para mulheres. Muitos de nós tendemos a pensar imediatamente em programas formais quando surge este assunto. Embora estes possam ser maravilhosos, devemos reconhecer que o ministério entre as mulheres pode e acontecerá de uma grande variedade de maneiras dentro de uma congregação sadia.

Resposta 2: A Bíblia conclama mulheres a ensinarem mulheres, no contexto de uma igreja local

Apesar de um ministério de mulheres não ser essencial, poderá ser muito útil organizá-lo e formalizá-lo de alguma maneira. Você sabe onde quero chegar. Precisamos ir a Tito 2, onde Paulo instrui Tito a liderar sua igreja de modo que homens e mulheres possam servir especificamente como homens e mulheres piedosos, e especificamente como idosos e jovens piedosos. A famosa orientação para mulheres mais velhas ensinarem mulheres mais novas como “mestras do bem” (Tito 2.3), aparece no contexto de uma carta que se gloria nas eternas doutrinas do evangelho e como estas podem ser vividas nas diversas camadas ordenadas do povo de Deus, reunido no corpo de adoradores local.

Em numerosas passagens, o Novo Testamento fala às mulheres da igreja especificamente como mulheres, chamando-as a viver uma vida piedosa e (em Tito 2) a ensinar esta piedade umas às outras. Esta ênfase específica implica na necessidade de tempo separado para que mulheres possam estar juntas, ensinando-se mutuamente – primariamente pela comunicação e aplicação, em oração, da Palavra de Deus, objetivando conhecer a Cristo e honrá-lo em todos nossos relacionamentos e responsabilidades. Embora este ensino possa ocorrer informalmente, um ministério de mulheres organizado provê um contexto em que isto pode ser ofertado a todas as mulheres de uma congregação.

Resposta 3: Devemos suscitar mulheres cheias da Palavra

Como já disse, este ensino ocorre primariamente pela comunicação e aplicação, em oração, da Palavra de Deus. Um ministério de mulheres eficaz desenvolve gerações de mulheres que estudam e transmitem as Escrituras. A Bíblia é clara sobre si mesma: é a revelação inspirada de Deus de si mesmo para os seres humanos. É a luz no caminho e o maná para a alma de cada seguidor de Jesus.

É crucial que as mulheres recebam ensino regular da Palavra de líderes ordenados, e instrução e encorajamento tanto de homens como de mulheres. Mas é também crucial que as mulheres ensinem “como mestras do bem”, ao passarem a outras mulheres, não apenas princípios práticos, mas o fundamento na Palavra, a partir da qual estes princípios advêm. Que benção é a pessoa exemplar, cujo coração e mente estão saturadas das Escrituras, cuja vida está sendo transformada pelo Espírito à imagem de Cristo, e cuja língua proclama suas excelências em alto e bom som! Fui abençoada por tais exemplos ao longo dos anos, de professoras de Escola Dominical a líderes de estudo bíblico, a mulheres que simplesmente dedicaram tempo para orarem por mim e comigo. As gerações futuras precisarão de tais pessoas exemplares mais do que nunca — e não apenas as virtuais ou as celebridades, mas mulheres verdadeiras em congregações verdadeiras.

É claro que este ensino cheio da Palavra acontece de todas as maneiras: de grandes estudos bíblicos para grupos até a leitura da Palavra na mesa da cozinha entre duas mulheres. Acontece em relacionamentos de mentores baseado no compartilhamento da Palavra. Acontece às mulheres orarem, servirem, ministrarem, celebrarem e chorarem juntas, sempre com a Palavra na ponta da língua. Pastores e presbíteros podem ajudar neste processo com excelência e substância. E quando este ensinamento cheio da Palavra acontece, ele afeta todo o corpo da igreja.

Resposta 4: Um ministério de mulheres cheias da palavra abençoa toda a igreja

O ministério de mulheres não deve separar as mulheres do restante da congregação. Na verdade, não deve ter como objetivo o bem das mulheres somente, mas o bem de toda a congregação. À medida que mulheres encorajam umas as outras em Cristo, pela Palavra, elas se tornam cada vez mais piedosas, elos de ligação pela oração com outros do Corpo; familiares, os que necessitam de ajuda física ou espiritual, crianças e líderes da igreja.

Esbarraremos em algumas distinções complementaristas em algum momento desta conversa, provavelmente já o fizemos, mas com certeza o faremos agora. Para as complementaristas, este é um encontro jubiloso, porque cremos que Deus criou uma ordem para o casamento e para a igreja, uma ordem para a nossa alegria e para o nosso bem. Celebramos nossa participação no drama divino do amor entre Cristo e sua igreja, desempenhando nosso papel como mulheres portadoras da imagem de Deus. É uma alegria ver uma igreja onde pastores e presbíteros amavelmente pastoreiam todos os membros da sua congregação, inclusive as mulheres, dando supervisão pastoral ao ministério das mulheres e encorajando o treinamento de uma liderança feminina. Como resultado, a igreja inteira é fortalecida e os homens e mulheres são equipados para serem parceiros na obra do evangelho. Um pastor que leu um rascunho deste artigo disse que gostaria de acrescentar apenas isto: quanto mais mulheres afiadas na Palavra surgirem em sua congregação, mais contente ele ficará, pois elas o ajudam de muitas maneiras a manter-se afiado.

O processo pode ser difícil. Líderes no casamento e na igreja ainda são seres humanos pecaminosos, assim como os que seguem sua liderança. Em igrejas onde não há unanimidade sobre os papéis de gênero, é necessário uma sensibilidade inimaginável, à medida que os crentes oram fielmente por seus líderes e procuram seguir e servir de acordo com a Palavra de Deus. Somente pela graça de Deus, à medida que Ele nos transforma à imagem de seu Filho, pelo seu Espírito e Palavra, vamos crescer juntos num corpo que o honra.

Resposta 5: O ministério de mulheres é um valioso canal de evangelismo

A esta altura você deveria provavelmente apenas ler o capítulo de Gloria Furman no livro Ministério de Mulheres. Se você já foi tentado a pensar em grupos de estudos bíblicos de mulheres simplesmente como um lugar acolhedor para amigas de longa data, prepare-se para uma mudança de paradigma. As mulheres têm uma oportunidade incrível no mundo de hoje de abraçar outras mulheres que nunca viriam (ou, em alguns casos, não seriam autorizadas a participar) de um grupo misto. Em todos os contextos, grupos de mulheres enraizados na Palavra de Deus, têm um enorme potencial para ministrar às mulheres perdidas e feridas, que são atraídas por uma comunidade autêntica e graciosa, e que precisam, acima de tudo, encontrar o Senhor e Salvador que brilha através das Escrituras do começo ao fim.

Muitos de nós precisamos ouvir histórias de como a Palavra de Deus estudada e ensinada invadiu o coração de uma mulher e, em seguida, alcançou uma família inteira com o evangelho, e como isto faz crescer a fé e o fervor evangelístico nas igrejas (veja, por exemplo, o capítulo escrito por Cindy Cochrum). Já vi isto acontecer em muitos grupos, especialmente quando líderes oram por este tipo de fruto do Evangelho, à medida que uma mulher após a outra convida uma amiga não cristã para vir junto com ela.

Que oportunidade, por meio do ministério das mulheres, de abraçar a vocação como povo separado por Deus para sermos sal e luz no mundo, por amor de Cristo e seu reino.

 

 

Autor: Kathleen Nielson

Fonte: The Gospel Coalition

Tradução: Lindsei Lansky

Via: Ministério Fiel

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso
Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET - Junta de Educação Teológica do IRSE - Instituto Reformado Santo Evangelho.