Série: Lutero contra o Livre-Arbítrio (Parte 3)

Share

A doutrina da salvação pela fé em Cristo prova que o “livre-arbítrio” é falso

Em Romanos 3.21-25, Paulo proclama com toda a confiança: “Mas agora, sem lei, se manifestou a justiça de Deus testemunhada pela lei e pelos profetas; justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, para todos e sobre todos os que creem; porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus; a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé…” Essas palavras são como raios contra a ideia do “livre-arbítrio”. Paulo faz distinção entre a justiça conferida por Deus e a justiça que vem mediante a observância da lei. O “livre-arbítrio” só poderia ser uma realidade se o homem pudesse ser salvo mediante a observância da lei. Não obstante, Paulo demonstra claramente que somos salvos sem dependermos, em absoluto, das obras da lei. Não importa o quanto possamos imaginar um suposto “livre-arbítrio”, capaz de praticar boas obras ou de tornar-nos bons cidadãos, Paulo continua asseverando que a justiça dada por Deus é de natureza inteiramente diferente. É impossível que o “livre-arbítrio” consiga resistir a assaltos de versículos como esses.

Estes versículos desfecham ainda outro raio contra o “livre-arbítrio”. Neles, Paulo traça uma linha distintiva entre os crentes e os incrédulos (Rm 3.22). Ninguém pode negar que o suposto poder do “livre-arbítrio” é bem diferente da fé em Jesus Cristo. Mas sem fé em Cristo, conforme Paulo esclarece, ninguém pode ser aceito por Deus. E se alguma coisa é inaceitável para Deus, então é pecado. Não pode ser algo neutro. Por conseguinte, o “livre-arbítrio”, se existe, é pecado, visto que se opõe à fé e não redunda em glória a Deus. Romanos 3.23 constitui-se em mais outro raio. Paulo não diz: “todos pecaram, exceto aqueles que praticam boas obras mediante seu próprio “livre-arbítrio”. Não há exceções. Se fosse possível nos tornarmos aceitáveis diante de Deus através do “livre-arbítrio”, então Paulo seria um mentiroso. Ele deveria ter dado margem a exceções. No entanto, Paulo afirma, categoricamente, que em face do pecado ninguém pode realmente glorificar e agradar a Deus. Todo aquele que agrada ao Senhor deve saber que Deus está satisfeito com ele. Porém, a nossa experiência nos ensina que coisa alguma em nós agrada a Deus. Pergunte àqueles que defendem o “livre-arbítrio” se existe neles alguma coisa que agrada a Deus. Eles serão forçados a admitir que não existe. E é isto que Paulo claramente afirma.

Até mesmo aqueles que acreditam no “livre-arbítrio” precisam concordar comigo que não podem glorificar a Deus, contando apenas com seus próprios recursos. A despeito de seu “livre-arbítrio”, eles têm dúvida se podem agradar a Deus. Assim, eu provo, com base no testemunho da própria consciência deles, que o “livre-arbítrio” não agrada a Deus. Apesar de todos os seus esforços e de seu empenho, o “livre arbítrio” é culpado do pecado de incredulidade. Portanto, vemos que a doutrina da salvação pela fé é completamente contrária a qualquer ideia de “livre-arbítrio”.

 

 

Lutero contra o Livre-Arbítrio (Parte 1)

Lutero contra o Livre-Arbítrio (Parte 2)

Lutero contra o Livre-Arbítrio (Parte 4)

 

 

Autor: Martinho Lutero

Trecho extraído do livro Nascido Escravo, pág 26-27. Editora: Fiel

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso
Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET - Junta de Educação Teológica do IRSE - Instituto Reformado Santo Evangelho.