Deserção Espiritual e sua Definição

Share

A deserção espiritual é uma longa retenção das operações e influências normais do Espírito Santo na regeneração, pelo qual Ele ilumina os cristãos, assegura-lhes o Seu favor, os conforta, os fortalece contra o pecado e a tentação, e os ajuda a livrarem-se de provas temporais. Isso faz com que eles estejam na escuridão, fracos na fé, desconsolados, caídos em pecado, sucumbidos nas tentações e permaneçam aflitos e preocupados com o carregar de uma cruz temporal. Portanto, a deserção refere-se tanto à justificação (e tudo o que se relaciona a ela) quanto à santificação.

A deserção de uma pessoa pode pertencer mais à justificação e à santificação de outro. Para uma pessoa é de maior duração, e para outra de menor duração. Alguns experimentam isso no início de sua conversão. Isso pode chegar tão longe que parece que tudo não será nada, e parece mais improvável do que antes que a sua conversão seja verdadeira. Entretanto, o Senhor se manifestará intermitentemente a eles e fará com que se firmem novamente.

Alguns entram neste estado doloroso após terem feito algum progresso na vida cristã. Isso ocorre de repente ou progressivamente. Alguns provam isso no final de sua vida, e às vezes o Senhor concede a esses seus confortos novamente antes da morte, fazendo-os partir triunfante. Às vezes alguns morrem em condições de grande deserção, escuridão e poderosas tentações. Em um momento, eles vão de um extremo ao outro, e o que eles nunca pensaram que iriam receber, recebem inesperadamente.

Os crentes que, conforme a Palavra de Deus e sua experiência não se familiarizaram suficientemente com sua impotência, confiam em suas próprias forças. Mesmo que acreditem e confessem o contrário, esse quadro negativo resulta deles mesmos. Assim, eles não estão sugerindo que não deram ao Senhor razão para abandoná-los – o que certamente é a verdade –, mas que eles não acreditam que a mão do Senhor esteja nisso. Ao contrário, eles acreditam que suas almas estão afastadas de Deus por conta da negligência e dos desejos pecaminosos. Destarte, eles secretamente imaginam que todos retornarão corretos novamente pela própria atividade, caso se empenhem, acreditando que certamente pereceriam se negligenciassem a fazê-lo.

Outros, porém, que percebem de forma tangível que essa é a obra de Deus (ou seja, que ele retira o seu auxílio natural), imediatamente rejeitam o estado espiritual e acreditam que é uma evidência da ira de Deus e uma declaração de que seu julgamento eterno está inacabado, e, portanto, ficam tomados de medo e terror. Eles, contudo, negligenciam quase todo o uso dos meios, sendo da opinião de que não há esperança, e, desse modo, são consumidos pelo desânimo.

Há poucos que permanecem em silêncio e detém suas almas com paciência, que olham para o céu em busca de ajuda, que continuam procurando, mesmo que estejam em densa escuridão, perseveram, choram ocasionalmente e decidem confiar no Senhor, mesmo que Ele os mate.

 

 

Leia também O que a Deserção Espiritual não é

 

 

Autor: Wilhelmus à Brakel

Trecho extraído de The Christian’s Reasonable Service, volume 4.

Tradução: Leonardo Dâmaso

Divulgação: Reformados 21

 

 

Reformados 21. Todos os direitos reservados. Você está autorizado a compartilhar os artigos deste site para republicações, desde que informe o autor, tradutor (quando houver) e as fontes principais e intermediárias, inclusive o Reformados 21. Não é permitido a alteração do conteúdo original e a utilização para fins comerciais.

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso
Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e bloqueiro. Faço parte da JET - Junta de Educação Teológica do IRSE - Instituto Reformado Santo Evangelho.