Deus odeia o pecado, mas ama o pecador? É isso mesmo?

Share

Podemos aceitar que existe um sentido genérico do amor de Deus. Ele demonstra e fala de amor ao mundo, à humanidade, à sua criação. Como calvinista, não tenho nenhuma dificuldade em aceitar isso. Temos que entender, porém, que no sentido salvífico (a salvação eterna da perdição e condenação do pecado), o amor de Deus é derramado exclusivamente sobre o seu povo e, individualmente, sobre os que ele eficazmente chama para si. Sobre aqueles que responderão ao chamado eficaz, abraçando a Cristo como único e suficiente Salvador.

A frase “Deus odeia o pecado, mas ama ao pecador”, entretanto, por mais que seja proferida e repetida, é uma forma simplista de expressar uma situação complexa, pois realmente é impossível separar o pecado do pecador, como se o pecado fosse uma entidade com vida independente, que apenas se utiliza do corpo e da mente do praticante.

Tiago 1.12-15 nos ensina que o pecado é gerado dentro das pessoas, partindo da própria concupiscência, externando sua prática em um relacionamento “simbiótico” (de dependência mútua) com o praticante. Sem barreiras e controles, enfim, sem a redenção leva à morte.

O pecado é algo odioso em suas manifestações. Estas são verificáveis nas pessoas pecadoras, sem as quais ele é indescritível e amorfo.

Em Romanos 9.11-18, a Bíblia fala do “aborrecimento” (ódio) de Deus contra Esaú, contrastando com o amor derramado sobre Jacó. Mas a Palavra de Deus expressa em outras ocasiões (além desse caso específico, de Esaú e Jacó) o ódio (“aborrecimento”) de Deus a pecadores. Isso ocorre porque ele é tanto JUSTIÇA como AMOR.

Por exemplo, no Salmo 11.5, lemos: “O Senhor prova o justo e o ímpio; a sua alma odeia ao que ama a violência”. Veja que ele não odeia somente a violência (inexistente, sem o praticante), mas “ao que ama a violência” – uma pessoa, o pecador.

Em Provérbios 6.16-18, lemos sobre sete coisas que o senhor abomina (odeia): olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contenda entre irmãos. Quando lemos essa descrição das “coisas” que o Senhor odeia, vemos que elas não são especificamente “coisas”, mas são pessoas que realizam certas ações; a descrição é a de pessoas que Deus abomina. Isso fica bem claro nas duas últimas “coisas” – uma pessoa, ou outra, que é “testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos”.

Não resta dúvida, portanto, que pelo menos nessas instâncias específicas Deus odeia pecadores. Consequentemente, isso deve nos fazer cautelosos de dar uma declaração genérica e abrangente de que ele não odeia pecadores, pois esse ensinamento não pode ser atribuído, dessa maneira, à Bíblia e carece de inúmeras qualificações.

 

 

Autor: Solano Portela

Fonte: O Tempora, O Mores

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso
Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e bloqueiro. Faço parte da JET - Junta de Educação Teológica do IRSE - Instituto Reformado Santo Evangelho.