Onde nasce o pecado?

Share

Ninguém nunca “cai” em adultério. O coração do adúltero é sempre motivado e preparado por pensamentos lascivos antes da ação real ocorrer. Igualmente, o coração do bandido é inclinado à cobiça. E o homicídio é produto da raiva e do ódio. Todo pecado é primeiramente gerado na mente.

Jesus ensinou esta verdade aos Seus discípulos:

Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem. Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas as coisas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos não o contamina (Mateus 15:18-20).

Jesus estava ensinando que o verdadeiro ponto da lei mosaica era a verdade moral incluída nos deveres cerimoniais externos. Ele minimizou os aspectos simbólicos de lavar e abster-se do que é legalmente declarado impuro. Em vez disso, Ele realçou a exigência moral da lei. A corrupção – sugeriu ele – não é primariamente um problema cerimonial ou externo; o que está verdadeiramente contaminado no sentido espiritual é a maldade que emana do coração. Na Escritura, “o coração” é a sede da imaginação, do afeto e da vontade da pessoa em sua totalidade. “Coração” é frequentemente usado como sinônimo de “mente”. Nestes versículos, portanto, nosso Senhor estava condenando a maldade de uma vida de pensamentos impuros.

Por vezes, Cristo repreendeu os fariseus pela observação fastidiosa da lei cerimonial externa e a negligência maliciosa deles dos requerimentos morais da lei. Eles estavam totalmente preocupados em parecer justos. Contudo, eles estavam dispostos a tolerar os pecados mais flagrantes do coração. Eles pensavam que ninguém mais poderia descobrir o que realmente estava dentro deles. Mas nosso Senhor sabia o que havia em seus corações (Mateus 9:4; 12:25). Comparou-os com túmulos graciosos, belos do lado de fora, mas eivados de impureza e morte por dentro.

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniquidade (Mateus 23:25-28).

Os ensinamentos dos fariseus incutiam essa ideia nas pessoas, que acreditavam comumente que os maus pensamentos não eram realmente pecaminosos, desde que não se tornassem atos. É justamente por isso que nosso Senhor assinalou os pecados do coração em “Seu Sermão da Montanha”.

Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento. Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo. Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela. (Mateus 5:21-22, 27-28).

O que deve acontecer em nossas mentes e corações? Qual deve ser o segredo mais profundo de nossas almas? Adoração a Deus.

Tu, porém, ao dares a esmola, ignore a tua mão esquerda o que faz a tua mão direita; para que a tua esmola fique em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará. E, quando orardes, não sereis como os hipócritas; porque gostam de orar em pé nas sinagogas e nos cantos das praças, para serem vistos dos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa. Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará (Mateus 6:3-6).

Pecar na mente, portanto, é profanar o próprio santuário em que a nossa maior e melhor adoração deve ocorrer.

Independentemente de como você se apresenta ao mundo exterior, o Senhor tem um lugar na linha de frente de tudo o que acontece em sua mente. Você está glorificando-O com seus pensamentos? Ou você está cultivando hábitos mentais pecaminosos que vão paralisar seu crescimento espiritual e intoxicar o seu coração? Os padrões de sua vida de pensamentos são confirmados em seu comportamento. O que o seus dizem sobre você?

 

 

Autor: John MacArthur

Tradução: Leonardo Dâmaso

Fonte: Grace To You

Divulgação: Reformados 21

 

 

Reformados 21. Todos os direitos reservados. Você está autorizado a compartilhar os artigos deste site para republicações, desde que informe o autor, tradutor (quando houver) e as fontes principais e intermediárias, inclusive o Reformados 21. Não é permitido a alteração do conteúdo original e a utilização para fins comerciais.

 

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso

Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET – Junta de Educação Teológica do IRSE – Instituto Reformado Santo Evangelho.