Carnaval: a festa que termina em cinzas

Share

O carnaval brasileiro é a maior festa popular do mundo. Atrai turistas de todos os continentes e chama a atenção da imprensa internacional. Escolas de samba, com seus enredos e carros alegóricos passam garbosamente pelas passarelas, vendendo alegria e trombeteando uma felicidade contagiante. São quatro dias de intenso fervor carnal. Multidões se acotovelam atrás de um carro alegórico, dançando e pulando freneticamente, movidas pelo álcool ou embaladas nas asas da sedução. Uns engrossam essas fileiras quase nus; outros escondem-se atrás de máscaras. As máscaras revelam os enrustidos e desvelam os anelos dos corações mais afoitos no pecado.

O carnaval é uma festa cara, onde não faltam as disputas acirradas entre as escolas e os arranjos subterrâneos para atender interesses inconfessos. Nessa festa, os excessos são a regra e a sobriedade, a exceção. Há muita bebedeira e muito consumo de drogas ilícitas. Há muita promiscuidade e muitos casamentos desfeitos. Há muitos que saem dessa alucinação com a consciência carregada de culpa e o corpo marcado por doenças que lhe encurtarão os dias.

O carnaval termina na quarta de cinzas. As cinzas são um sinal de arrependimento. Mas, nesse caso, as cinzas não sinalizam qualquer penitência ou quebrantamento. É apenas um ritual vazio, sem qualquer conteúdo moral e espiritual. Aliás, as cinzas são apropriadas para o desfecho do carnaval, pois essa festa mundana termina, quase sempre, timbrada pela dor e marcada pela culpa. As alegrias do carnaval são postiças e não verdadeiras. A alegria patrocinada pelo carnaval dura apenas enquanto as pessoas estão dopadas pelo prazer carnal. Quando as luzes dessa festa se apagam, deixa seu celebrante na mais densa escuridão. Quando as músicas cessam, fica apenas o gemido da angústia. Quando os enfeixes viram lixo, de lixo se cobre a alma, porque a alegria do mundo é um arremedo de alegria.

Assim é o pecado! O pecado é um embuste, uma farsa, um ledo engano. Parece belo aos olhos e desejável ao coração. Porém, sua aparência é falsa e seu sabor amargo. O pecado é maligníssimo. É pior do que o sofrimento e mais horrendo do que a própria morte. Os males todos desta vida não poderiam nos afastar de Deus, mas o pecado faz separação entre o homem e Deus. O pecado é pior do que o inferno, porque o inferno só existe por causa dele. O pecado é filho da cobiça e genetriz da morte. O pecado é enganador. Promete mundos e fundos, mas não tem nada para oferecer, a não ser a culpa, a dor, a vergonha e a morte. O pecado promete alegria e promove tristeza. O pecado promete liberdade e escraviza. O pecado promete vida e mata.

A verdadeira alegria não está no carnaval. A verdadeira alegria só Deus pode dar. A alegria de Deus é mais do que uma emoção. É mais do que um sentimento. A alegria de Deus é uma pessoa. É Jesus! Todo aquele que conhece a Jesus e tem nele o seu Salvador e Senhor, recebe essa alegria indizível e cheia de alegria. Essa alegria não dura apenas nos luzidios dias de festa. Está presente em todos os lugares, em todos os tempos, em todas as circunstâncias. Mesmo aqueles que sofrem os mais violentos ataques de fúria deste mundo, desfrutam dessa alegria. Mesmo aqueles que estão encerrados atrás de barras de ferro e presos por grossas correntes, cantam nas prisões. Mesmo aqueles que enfrentam os dramas da fome e dos mais perversos castigos físicos, encontram em Jesus, motivo para cantar. Mesmo aqueles que entram pelo corredor da morte e sofrem doloroso martírio, caminham para o patíbulo com um hino de louvor em seus lábios. Oh! Essa alegria o mundo não conhece nem poder dar. Essa alegria o mundo não pode tirar. Essa alegria não brota da terra, emana do céu. Essa alegria não vem dos homens, procede de Deus. Essa alegria não é uma oferta dos prazeres desta vida, mas um dom do Espírito Santo. Essa alegria não é celebrada nas passarelas do carnaval, mas no coração de todos os remidos do Senhor!

 

 

Autor: Hernandes Dias Lopes

Fonte: Hernandes Dias Lopes

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso
Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET - Junta de Educação Teológica do IRSE - Instituto Reformado Santo Evangelho.