As Piores Coisas: Quando Tudo colabora para o Bem (3/4)

Share
  1. O mal do ABANDONO coopera para o bem do piedoso

O mal do abandono coopera para o bem. O cônjuge reclama da deserção. “Meu amado tinha se afastado, e tinha ido!” (Cantares 5:6). Há um afastamento duplo: ou em relação à graça, quando Deus suspende a influência de Seu Espírito e retém as vívidas ações da graça. Se o Espírito se foi, a graça congela na frieza e na indolência; ou um afastamento com relação ao conforto. Quando Deus retém as doces manifestações de Seu favor, Ele não olha com um aspecto muito agradável, mas esconde Seu rosto, e parece estar bem distante da alma.

Deus é justo em todos Seus afastamentos. Nós O abandonamos antes que ele nos abandonasse. Nós abandonamos a Deus: quando deixamos de ter comunhão íntima com Ele; quando abandonamos Suas verdades e nos atrevemos a não aparecer a Ele; quando deixamos orientação e condução de Sua palavra e seguimos a luz enganadora de nossas próprias afeições e paixões corruptas. Nós abandonamos a Deus primeiro. Portanto, não temos ninguém para culpar senão nós mesmos.

O abandono é muito triste, pois, assim como quando a luz é retirada, as trevas seguem no ar, assim também quando Deus se retira, há trevas e sofrimento na alma. O abandono é uma agonia da consciência. Deus segura a alma sobre o inferno. “As flechas do Todo-Poderoso estão em mim, cujo ardente veneno suga o meu espírito” (Jó 6:4). Era um costume entre os persas em suas guerras mergulhar suas flechas em veneno de serpentes para torná-las mais mortais. Assim fez Deus, ao atirar as flechas envenenadas do abandono em Jó, sob as feridas as quais seu espírito deita ensanguentado. Em tempos de abandono, o povo de Deus está inclinado a desanimar-se. Eles contendem contra si mesmos, e pensam que Deus realmente os rejeitou. Portanto, eu receitarei algum conforto para a alma abandonada.

Quando o marinheiro não tem estrela para guiar-lhe — ele ainda tem luz em sua lanterna que pode ajudá-lo a ver sua bússola; então, eu entregarei três consolos, que são como a lanterna do marinheiro, para dar alguma luz quando a pobre alma está navegando na escuridão do abandono e precisa da estrela da manhã.

(1) Somente os piedosos são capazes de sofrer abandono. Os perversos não sabem o que significa o amor de Deus — nem o que significa carecer dele. Eles sabem o que é carecer de saúde, amigos, emprego — mas não sabem o que é carecer do favor de Deus. Você teme que você não seja filho de Deus porque está abandonado. O Senhor não pode retirar seu amor dos perversos, porque eles nunca o tiveram. Ser abandonado evidencia que você é um filho de Deus. Como você poderia reclamar que Deus se afastou, se nunca tivesse recebido algumas vezes sorrisos e sinais de amor vindos dEle?

(2) Pode haver a semente da graça onde não há a flor da alegria. A terra pode carecer de uma safra de grãos — e ainda assim pode ter uma mina de ouro em seu interior! Um cristão pode ter a graça em seu interior, ainda que os doces frutos da alegria não cresçam. Embarcações no mar, que estão fartamente carregadas de joias e especiarias, podem estar na escuridão do abandono e tão sacudidos que podem pensar que foram jogados na tempestade.  Davi, em um estado de melancolia, ora: “Não retires de mim o teu Santo Espírito” (Salmo 51:11). Ele não ora, diz Agostinho, “Senhor, dê-me o teu Espírito”, mas “Não retires o teu Espírito”, de modo que ele ainda tinha o Espírito de Deus a permanecer dentro dele.

(3) Esses abandonos só duram um tempo. Cristo pode retirar-se, e deixar a alma por algum tempo — mas Ele virá novamente. “Com um pouco de ira escondi a minha face de ti por um momento; mas com benignidade eterna me compadecerei de ti” (Isaías 54:8). Quando a água está baixa, a maré subirá novamente. “Não me indignarei para sempre” (Isaías 57:16). A mãe sensível trata seu filho com ira; mas o tomará novamente em seus braços e irá beijá-lo.  Deus pode pôr a alma de lado em ira; mas Ele a tomará novamente em seus abraços amorosos, e mostrará seu estandarte de amor sobre ela.

4. COMO esses abandonos cooperam para o bem do piedoso

(1) O abandono cura a alma da preguiça. Encontramos a esposa caída na cama da preguiça: “Eu dormia” (Ct. 5:2). E logo Cristo havia ido embora. “Meu amado tinha se retirado” (Ct. 5:6). Quem conversará com alguém que está sonolento?

(2) O abandono cura a afeição desordenada do mundo. “Não ameis o mundo” (1João 2:15). Podemos segurar o mundo como um ramo de flores em nossa mão; mas ele não deve estar muito perto do nosso coração. Podemos usá-lo como uma pousada onde comemos a refeição; mas ele não pode ser nosso lar. Talvez, essas coisas seculares roubem demais o coração. Homens piedosos são muitas vezes vergados pela superabundância de coisas temporais e embriagados com os saborosos deleites da prosperidade. E, tendo manchado suas asas prateadas de graça, e muito desfigurado a imagem de Deus esfregando-a contra aterra, o Senhor, para recuperá-los disso, esconde Sua face em uma nuvem. Esse eclipse tem bons efeitos; ele escurece toda a glória do mundo, e faz com que ela desapareça.

(3) O abandono coopera para o bem — enquanto faz com que os santos valorizem o semblante de Deus mais do que nunca. “Tua graça é melhor que a vida” (Salmo 63:3). Ainda assim, a frequência dessa misericórdia a reduz em nossa estima. Quando pérolas se tornaram comuns em Roma, elas começaram a ser desconsideradas. Deus não tem maneira melhor de nos fazer valorizar Seu amor, do que removê-lo por um tempo. Se o sol brilhasse não mais que uma vez por ano, como ele seria valorizado! Quando a alma tem sido ignorada por muito tempo com o abandono, ah, quão bem vindo é agora o retorno do Sol da justiça!

(4) O abandono coopera para o bem — enquanto é o meio de tornar o pecado amargo para nós. Pode haver maior tristeza do que ter a desaprovação de Deus? O que faz o inferno, senão a ocultação do rosto de Deus? E o que faz Deus esconder Seu rosto, senão o pecado? “Levaram meu Senhor, e eu não sei onde o puseram” (João 20:13). Exatamente assim, nossos pecados levaram o Senhor, e nós não sabemos onde ele O pôs. O favor de Deus é a melhor joia; pode adoçar uma prisão e desenvenenar a morte. Ah, quão odioso então é o pecado, que nos rouba a nossa melhor joia! O pecado fez Deus abandonar seu templo (Ezequiel 8:6). O pecado faz com que Ele apareça como um inimigo e Se vista com armadura. Isso faz a alma buscar o pecado com um santo rancor, e se vingar por isso! A alma abandonada dá ao pecado fel e vinagre para beber, e, com a lança da mortificação, deixa correr o sangue de seu coração!

(5) O abandono coopera para o bem — quando faz com que a alma chore pela perda de Deus. Quando o sol se vai, o orvalho cai; e quando Deus se vai, lágrimas caem dos olhos. Como Mica ficou perturbada quando perdeu seus deuses! “Me tomastes os deuses que fiz (…) que mais me resta agora?” (Juízes 18:24). Então, quando Deus se vai, o que mais nos resta? A harpa ou o violino não podem confortar quando Deus se vai. Ainda que seja triste carecer da presença de Deus, é bom lamentar Sua falta.

(6) O abandono faz com que a alma busque a Deus. Quando Cristo se foi, a esposa O busca. “O buscarei por todas as ruas e por todas as praças” (Cantares 3:2). E não O tendo encontrado, ela chora atrás dele: “Vistes aquele a quem ama minha alma?” (Cantares 3:3). A alma abandonada atira para o alto saraivadas de suspiros e gemidos. Ela bate nos portões celestiais através da oração; ela não consegue descansar até que os raios dourados da face de Deus brilhem!

(7) O abandono coloca o cristão sob questionamento. Ele questiona a causa do afastamento de Deus. Qual foi a maldita coisa que fez Deus se irar? Talvez o orgulho, talvez a preguiça, talvez o mundanismo. “Me indignei e puni esse povo avarento. Escondi-me dele.” (Isaías 57:17). Talvez haja algum pecado escondido. Uma pedra no cano impede a corrente de águas. Exatamente assim, viver em pecado impede a doce corrente do amor de Deus. Portanto, a consciência, como um cão de caça, tendo achado o pecado e o surpreendido — este Acã é apedrejado até a morte!

(8) O abandono coopera para o bem — enquanto nos dá uma visão do que Jesus Cristo sofreu por nós. Se o gole do cálice é tão amargo, quão amargo era o cálice cheio que Cristo bebeu até a última gota sobre a cruz. Ele bebeu um cálice de veneno mortal, que O fez clamar: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Mateus 22:46). Ninguém consegue estimar tanto os sofrimentos de Cristo, e ninguém consegue ser tão abrasado pelo amor de Cristo, quanto aqueles que foram humilhados no abandono e foram suspensos sobre as chamas do inferno por um tempo.

(9) O abandono coopera para o bem — enquanto prepara os santos para o consolo futuro. As fortes geadas preparam para as flores da primavera. Esse é o jeito de Deus: primeiro abater, depois consolar (2Coríntios 7:6). Quando nosso Salvador estava jejuando, depois vieram os anjos e O serviram. Quando o Senhor já manteve Seu povo jejuando por muito tempo, depois ele envia o Consolador, e os alimenta com o maná escondido. “A luz é semeada para o justo” (Salmo 97:11). O consolo dos santos pode estar escondido como a semente sob a terra; mas a semente está se rompendo, e irá crescer e florescer e se tornar colheita!

(10) Esses abandonos cooperam para o bem — enquanto tornarão o céu mais doce para nós. Aqui na terra, nossos consolos são como a lua: às vezes são plenos, às vezes diminuem. Deus mostra a Si mesmo a nós por um momento, e então se retira de nós. Como isso realçará mais o céu, e o tornará mais encantador e arrebatador, quando tivermos um constante semblante de amor vindo de Deus! (1Tessalonicenses 4:17).

Assim nós vemos os afastamentos trabalharem para Deus. O Senhor nos traz às profundezas do abandono, para que ele não nos traga às profundezas da condenação! Ele nos coloca num aparente inferno, para que ele nos livre do verdadeiro inferno. Deus está nos ajustando para o tempo em que iremos desfrutar de Seus sorrisos para sempre, quando não haverá nuvens em seu rosto ou pôr do sol; quando Cristo vier para estar com Sua esposa, a esposa nunca mais dirá: “Meu amado se afastou!”

 

 

As Piores Coisas: Quando Tudo colabora para o Bem (1/4)

As Piores Coisas: Quando Tudo colabora para o Bem (2/4)

As Piores Coisas: Quando Tudo colabora para o Bem (4/4)

 

 

Autor: Thomas Watson

Fonte: Iclnet

Tradução: Voltemos ao Evangelho

Via: Voltemos ao Evangelho

 

Leonardo Dâmaso
Leonardo Dâmaso

Mineiro, de Divinópolis. Criador e editor-chefe do Reformados 21. Servo de Cristo, músico, compositor, teólogo, escritor, apologista, tradutor e blogueiro. Faço parte da JET – Junta de Educação Teológica do IRSE – Instituto Reformado Santo Evangelho.