Ovelhas, Lobos, Cobras e Pombas: Pensamentos sobre Mateus 10:16

Share

Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas.

Quando Jesus nos envia para sermos suas testemunhas no mundo, ele não nos envia como fortes e dominantes, mas como fracos e aparentemente indefesos. A única razão pela qual eu digo “aparentemente”, é porque é possível que, como “toda autoridade” pertence a Jesus, Ele intervenha calando a boca dos lobos, como ele fez com os leões que cercavam Daniel.

Mas essa não parece ser a sua intenção. O texto diz que os “lobos” vão entregar as “ovelhas” a tribunais e açoitá-las, e arrastá-las diante dos governadores, e matar pais e filhos, e odiá-las, e persegui-las de cidade em cidade, e amaldiçoá-las (Mt 10:17-31). Portanto, é bem claro que, quando Jesus diz que ele nos enviará como ovelhas em meio a lobos, ele quer dizer que nós seremos tratados da maneira como lobos tratam ovelhas.

No entanto, mesmo que as ovelhas sejam proverbialmente estúpidas, ao menos é o que parece quando elas andam em direção aos lobos e não para longe deles. Jesus se opõe a essa noção dizendo: “sejam prudentes como as serpentes”. Com efeito, vulnerabilidade, não estupidez, é o motivo dele nos chamar de ovelhas. Sejam como cobras e não ovelhas, quando se trata de inteligência. A minha interpretação disso é que as cobras são rápidas para sair do caminho. Elas andam debaixo das pedras.

Portanto, sim, vá em meio aos lobos e seja vulnerável quando pregar o evangelho, mas quando eles derem o bote, saia do caminho. Quando eles abrirem suas bocas, não pulem para dentro. E também sejam inocentes como pombas; ou seja, não deem a eles nenhuma razão legítima para acusá-los de injustiça ou imoralidade. Mantenha sua reputação a mais limpa possível.

Contudo, tanto a inteligência da cobra quanto a inocência da pomba são feitas para manter a ovelha fora do perigo. Jesus não quer que nós nos envolvamos no máximo de dificuldade possível. Ele quer dizer o seguinte: Arrisquem suas vidas vivendo como testemunhas vulneráveis, pacíficas, parecidas com as ovelhas, e corajosas, mas encontre maneiras de testemunhar de forma que não causará perseguição desnecessária.

Isto nos leva a um dilema que muitas testemunhas fiéis encontram: Quando devo fugir do perigo? E quando devo enfrentá-lo e testemunhar durante ele? Em 1684, John Bunyan publicou um livro intitulado Seasonable Counsels, or Advice to Sufferers (Conselhos Sazonais, ou Aconselhamento a Sofredores). Nele, o autor responde esta pergunta: Quando o sofredor escapa (do perigo) e quando ele enfrenta (e sofre o perigo)? Bunyan sabia como responder para ele mesmo. Ele teve quatro crianças; uma delas era cega, e ele escolheu ficar preso por doze anos ao invés de prometer que deixaria de pregar o evangelho. Como ele responde esta pergunta para outros? Podemos tentar escapar?

Podes fazer como está em teu coração. Se estiver em teu coração a vontade de escapar, escape; se estiver em teu coração enfrentar, enfrente. Tudo menos negar a verdade. Aquele que escapa tem autorização para fazê-lo; aquele que enfrenta, tem autorização para fazê-lo. E o mesmo homem pode escapar e enfrentar ao mesmo tempo, de acordo com o chamado e trabalho de Deus no seu coração. Moisés escapou (Êx 2:15); Moisés enfrentou (Hb 11:27). Davi escapou (1 Sm 19:12); Davi enfrentou (1 Sm 24:8). Jeremias escapou (Jr 37:11-12); Jeremias enfrentou (Jr 38:17). Cristo se retirou (Lc 19:10); Cristo enfrentou, (Jo 18:1-8). Paulo escapou (2 Co 11:33); Paulo enfrentou (At 20:22-23). 

Existem poucas regras neste caso. Cada pessoa é quem tem melhor condições de julgar a sua força naquele momento, e qual o peso um argumento ou outro gera em seu coração para enfrentar ou escapar. Não escape por causa de um medo escravizante, mas porque escapar é uma ordem de Deus, abrindo uma porta para a fuga de alguns, a qual é aberta pela providência de Deus, e a fuga encorajada pela Palavra de Deus, Mateus 10:23. 

Se, portanto, quando fugistes, fostes apreendidos, não fiques ofendido com Deus ou homem: não com Deus, porque eres seu servo, tua vida e teu tudo são dele; não com homens, pois ele nada mais é que a vara de Deus, e é ordenado, nisto, a fazer-te o bem. Escapastes? Ria. Fostes apreendido? Ria. Digo que sejais contente se ocorrer de uma maneira ou outra, pois a balanças ainda estão nas mãos de Deus. (p.726)

Sejamos tardios em julgar o missionário que escolhe morrer ao invés de escapar. E sejamos tardios em julgar o missionário que escolhe viver. Mas, vamos dar-nos diariamente às disciplinas de impregnação da palavra e obediência que nos transformam pela renovação das nossas mentes, para que provemos qual é a vontade de Deus, que é boa e aceitável e perfeita no momento de urgência absoluta (Rm 12:2).

Buscando caminhar junto ao Mestre com você,

Pastor John

 

 

Autor: John Piper

Fonte: desiringGod

Marcos Frade
Marcos Frade
Mineiro, de Belo Horizonte. Profissional de TI por paixão, estudante de Teologia por chamado. Criador e editor da página Suprema Graça, no Facebook. Atuo como editor e na área de manutenção no Reformados 21. Faço parte da JET - Junta de Educação Teológica do IRSE - Instituto Reformado Santo Evangelho.