A Ceia do Senhor (1/2)

Share

Eu sou o Pão Vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá eternamente; e o pão que deverei dar pela vida do mundo é a minha carne (João 6.51).

O que é ensinado nas igrejas atualmente é verdadeiramente o que Jesus Cristo ensinou na noite em que foi traído?

A Ceia do Senhor é um ato importante na vida do cristão; e por esse motivo, iremos estudar todo o contexto bíblico sobre as tradições da cidade, a qual a igreja de Corinto estava inserida, para assim chegarmos à conclusão da forma correta de se instituir a Ceia do Senhor. Aconteceu nas igrejas em um longo período de tempo o ensinamento totalmente equivocado acerca do que é Ceia.

Muitos teólogos irão ter trabalho em corrigir os erros cometidos no passado sobre a Ceia do Senhor, assim como outros assuntos bíblicos, como dom de línguas, a relação do cabelo da mulher no Culto a Deus, o Dízimo ensinado como forma de lei na igreja de Cristo (cristianismo), os dois batismos (no Espírito, e no fogo) pregado por João Batista, e muitos outros.

A forma atual da instituição da Ceia em algumas igrejas não tem origem bíblica, mas totalmente pagã. Existe uma grande influência do catolicismo romano (a transubstanciação, por exemplo) em algumas igrejas ditas evangélicas.

(1) A visão do Catolicismo Romano, chamada transubstanciação, ensina que o pão e o vinho da ceia do Senhor são “transformados no corpo e sangue de Cristo” quando abençoados pelo sacerdote. Essa visão coloca a fé de lado, pois tudo o que alguém precisa para receber a Cristo é comer o pão e beber o vinho. Isso também lança o fundamento para a Missa, pois quando o pão, que supostamente não é mais pão, mas corpo, é partido, então o sacrifício de Cristo é repetido novamente. A própria palavra Missa significa “sacrifício”.

A festa do amor ágape na igreja primitiva

Ao que tudo indica, os cristãos do período apostólico, que participavam de uma mesma igreja local, tinham o costume de reunir-se pelo menos uma vez por semana para comerem juntos, e durante a refeição celebrarem a Ceia do Senhor. Esse costume teve sua origem no fato de que o Senhor Jesus instituiu o sacramento durante uma refeição com seus discípulos, (cf. Mt 26.17–30; Mc 14.22–24; Lc 22.19-20; Jo 13.1-4). Aparentemente, o alvo dos “ágapes” era a comunhão cristã, o compartilhar de alimentos entre os mais pobres e, especialmente, lembrar-se do Senhor Jesus e participar espiritualmente da sua morte e ressurreição pelo pão e o vinho (elementos da Ceia).

A igreja apostólica em Jerusalém seguiu o exemplo, de modo que o “partir do pão” se dava num ambiente em que as refeições eram tomadas em comum (At 2.42–47; 20.7). Eventualmente, essas refeições comunais que vieram a ser conhecidas como “ágape” (palavra grega para “amor”), se tornou uma prática regular nas igrejas cristãs espalhadas pelo mundo.

Judas se refere a elas em sua carta como “festas do amor (fraternidade)”, mas também identifica falsos crentes, libertinos participando destas festas como introdutores de comportamentos contrários à sã doutrina (Jd 12; 2 Pe 2.13).

Por causa de abusos, alguns dos quais mencionados no Novo Testamento (1 Co 11.17–34; 2 Pe 2.13), a festa do “ágape” foi separada da celebração da Ceia do Senhor a partir do século II. É provável que o que Paulo escreveu sobre esses abusos tenha sido o começo dessa separação. Pelo que sabemos, o “ágape” continuou ainda por alguns séculos, até desaparecer no final do século VII da Igreja Cristã, ao ser proibido pelo Concílio de Cartago.

Os ágapes na igreja de Corinto 

Os problemas no culto na época de Paulo, a festa da confraternização e os “ágapes”, estavam em pleno vigor nas igrejas cristãs. O apóstolo tinha ouvido que havia várias irregularidades nos “ágapes” da igreja de Corinto. Na carta que lhes escreveu, ele elogia os coríntios por acatarem as tradições (boas tradições) que ele lhes havia entregado (1 Co 11.2). Porém, esse acatamento era incompleto e superficial. Eles estavam negligenciando tradições de grande importância, como relativo à Ceia (11.23). Nisso Paulo não podia louvá-los. O apóstolo tem sérias reservas quanto à maneira pela qual eles estavam celebrando a festa da confraternização (Ágape). Na verdade, Paulo está descontente pela maneira com que eles estavam realizando seus cultos em geral.

A insatisfação do apóstolo Paulo era provocada pela atitude amotinada das mulheres “espirituais” nos cultos (11.3–16), pela falta de fraternidade e reverência na celebração da Ceia (11.17, 22) e pelo uso impróprio dos dons espirituais (capítulos 12–14). Paulo chega mesmo a dizer que as suas reuniões faziam mais mal do que bem (11.17), visto que produzia um resultado bem inferior, oposto ao desejado.

Em vez de serem para o melhor, isto é, para a edificação, instrução, cuidado dos menos afortunados e conforto de suas almas, eram para o pior – para estimular e encorajar a glutonaria, a embriaguez, as divisões e a carnalidade em geral. Como resultado, a participação na Ceia, que deveria trazer bênção, estava trazendo fome, e por causa da fome, doenças, e por causa da fraqueza por não ter o que comer, mortes, e mortes por Juízo Divino (11.29–30). (cf. Gl 5:19–21).

Divisões na igreja 

Quando se reuniam para o “ágape”, havia “divisões” (11.18). Estavam “partidos” na igreja (11.19). Essas divisões a que Paulo se refere não eram os partidos de Paulo, Pedro, Apolo e Cristo, dos quais havia tratado nos capítulos 1 ao 4. Eram alienações mútuas que se manifestavam por ocasião do “ágape” entre ricos e pobres, entre os que tinha dons e os que não tinham e, possivelmente, entre judeus, que só comiam “KOSHER”, e os gentios.

Para piorar, havia ainda glutonaria e bebedeiras (11.21). Atenção neste ponto, pois estamos falando de uma igreja, e da Ceia do Senhor! Os ricos avançavam gulosamente na abundância do que haviam trazido e não compartilhavam com os pobres. O resultado era um ambiente mesclado de espírito faccioso, embriaguez, glutonaria, egoísmo, ressentimentos e invejas. A Ceia do Senhor era um alvo secundário nestas reuniões para os que estavam mais interessados na comida (11.20).

Alguns pensavam no “ágape” primeiramente como uma ocasião de saciar a sua fome (11.34). Quando comiam o pão e bebiam o vinho em nome do Senhor Jesus, era uma mera atividade fisiológica. E nada de devoção e espiritualidade era manifesto por partes dos “cristãos”. Não é muito diferente nos tempos atuais, onde a Ceia do Senhor é fisiológica e economicamente rentável na igreja contemporânea. O real significado não é proclamado.

Corinto era uma igreja realmente espiritual?

A igreja de Corinto pensava ser uma igreja espiritual. Essa espiritualidade, para eles, se manifestava primeiramente em seus cultos, pelas manifestações associadas aos dons espirituais.

Contudo, era exatamente durante a celebração de uma das partes mais significativas do culto, que a falta de verdadeira espiritualidade dos coríntios se manifestava em sua forma mais extrema. Como era possível uma igreja que tinha membros bêbados na Ceia pensar que era espiritual?

Hoje, existem cristãos ébrios de iniquidades no seio da igreja, pessoas espiritualmente mortas, egoístas, más, facciosas, tenebrosas, mentirosas que fazem parte da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. (1 Co 10.21). A resposta é que o seu conceito de espiritualidade era errado. O apóstolo Paulo irá demonstrar isso mais adiante em sua carta. A falta de fraternidade e o egoísmo presente nas reuniões (11.33), e a falta de dignidade e discernimento espiritual que essas atitudes causavam (11.27–29).

A igreja já estava debaixo do julgamento de Deus. Muitos estavam doentes e fracos, outros já haviam morrido em decorrência de suas consequências más, até mesmo podendo considerar um castigo divino (11.30). Isto dever nos alertar de quão seriamente Deus requer o modo apropriado de participarmos dos cultos. Os coríntios conseguiram corromper o Culto a Deus em menos de 20 anos do surgimento do Cristianismo, e isto enquanto os apóstolos ainda estavam vivos. Portanto, não devemos nos impressionar com a rápida corrupção ocorrida na Igreja depois que os apóstolos morreram (séculos posteriores da era apostólica). Hoje, continuam a introduzir práticas, costumes e a torcer o propósito dos cultos, ao ponto de suas reuniões, como a dos coríntios, fazerem mais mal do que bem.

Entre as muitas implicações práticas que poderíamos extrair da carta aos corintos, quero destacar apenas uma. O conceito da Igreja de Corinto em relação à verdadeira espiritualidade tinha um defeito fatal, enfatizava as manifestações carismáticas acima de conceitos básicos como a simplicidade, a fraternidade e a pureza, virtudes necessárias na Ceia do Senhor.

Aprendamos com o apóstolo Paulo que um culto verdadeiramente espiritual, entre outras coisas, é o que promove condições para que os crentes se aproximem da mesa do Senhor lúcidos, sóbrios, aptos para discernir o que estão fazendo, devidamente instruídos quanto ao sentido da Ceia, e capazes de participar dela de forma digna.

Cabe a pergunta: é assim que nos aproximamos da Mesa do Senhor?

Comunhão com Deus e com nossos irmãos

Quase todas as igrejas que proclamam seguir a Cristo observam a Ceia do Senhor. O pão e o fruto da videira são elementos comuns nas assembleias de adoração de vários grupos religiosos. Mas há diferença no entendimento a respeito desta comemoração. O que a Bíblia ensina sobre a Ceia do Senhor? O que é a Ceia do SENHOR? Como devemos participar dela hoje em dia?

A primeira Ceia: o exemplo de Jesus 

Quatro textos registram os pormenores da primeira “Ceia do Senhor”. Três destes relatos estão nos evangelhos (Mt 26.26–29, Mc 14.22–25 e Lc 22.19–20), e o outro está em 1 Coríntios 11.23–26, como já citado. Podemos aprender como Jesus e os apóstolos celebraram a Ceia do Senhor comparando estes relatos.

O propósito: fazei isto em memória de mim (Lc 22.19)

A Ceia do Senhor é ocasião para nos lembrarmos do sacrifício que Jesus fez na cruz, pelo qual Ele nos oferece a esperança da vida eterna: “Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que Ele venha” (1 Co 11.26).

A ceia do Senhor é igualmente um ato de obediência pelos quais os membros da igreja participam do pão e do vinho, comemorando juntos a morte de Jesus Cristo, e apontando para a sua vinda. Esta ordenança da igreja representa também a nossa comunhão espiritual com Ele, a nossa participação na Sua morte, e o testemunho vivo da nossa esperança na ressurreição e glorificação de nossos corpos (Rm 6.8).

Os símbolos

1) A Ceia é uma Aliança (Mt 26.28)

O Senhor Jesus declara que é um contrato que foi celebrado. Ele é o fiador e quem outorga a mesma. É um testamento em que o ser humano é o beneficiário. Esta nova aliança é celebrada no sangue de Cristo. No Antigo Testamento, na celebração das alianças e nos contratos, era natural sacrificar animais como testemunha (Gn 15.1–18). Esta é a nova aliança, que foi prometida na antiguidade, mas é sancionada pelo sangue de Cristo, pelo Cordeiro de Deus (Rm 11.27; Hb 8.10).

2) A Ceia é um Memorial (Lc 22.19)

Quando celebramos este ato, recordamos o sacrifício do Senhor. Celebrar este rito é trazer à lembrança o que o Senhor fez por nós. Aqui recordamos a encarnação, morte e ressurreição do Senhor. Lembramos o modo pelo qual o Senhor nos comprou para Si. Devemos celebrar o ato para que possamos sempre reviver este aspecto e nunca apagar da lembrança o que o Senhor fez por nós.

3) A Ceia é uma Proclamação (1 Co 11.26)

Paulo diz que celebrar este ato é anunciar, declarar o evangelho. O sentido também é de ensinar. Quando celebramos a Ceia do Senhor estamos expressando o sacrifício redentor do Mestre por amor de nós. O símbolo traz a mensagem da graça de Deus.

Neste sentido, é pertinente o que diz Alan Richardson (Richardson, 1966), mesmo que não usemos o termo Eucaristia. Ele declara: “A eucaristia sempre que é oferecida, dá testemunho não somente a respeito da história, mas também, de sua interpretação. É a proclamação da morte salvadora de Cristo. Cada eucaristia proclama o começo da era da salvação de Deus”.

Dr. Martin Lloyd-Jones (LLOYD-JONES, 1999), sobre esta realidade, declara:

A Ceia é proclamação. Ainda que o púlpito haja fracassado, a Ceia do Senhor continua ainda declarando, proclamando, pregando a morte do Senhor, e com frequência tem havido grande desarmonia, para não dizer contradição, entre a pregação do homem e a pregação do pão e do vinho à mesa da comunhão.

A celebração da ceia nos faz ver os perdidos, pois ela manifesta a graça de Deus.

Celebrar a ceia é perceber a realidade missional da igreja. É entender que esta celebração anuncia a mensagem da graça de Deus. Paulo diz o seguinte: “Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha” (1 Co 11.26). O termo “anunciar” καταγγέλλετε (katangellete), também pode ser traduzido como proclamar. Sendo assim, quando celebramos a Ceia do Senhor, a mensagem do evangelho está sendo anunciada.

4) A Ceia é uma Ordenança (Mt 26.26–27; Lc 22.17–20)

Ordenança é um mandamento que deve ser cumprido. O Senhor deu uma ordem para que possamos fazer este ato em sua memória “Fazei isso em memória de mim” (Lc 22.19).

Em momento algum, o Novo Testamento não utiliza o termo “Ordenança” em relação à Ceia ou Batismo. Contudo, existem seis vocábulos no Antigo Testamento para o termo ordenança: לְחָק־ – choq, estatuto, decreto (Êx 12:24; 18.20, Ml 3.7); חֻקּ֣וֹת – chuqqah, estatuto, decreto (Êx 12.14,17; Jó 38:33); יְדֵ֖י – yad, mão (Ed 3.10); מִצְוֹ֔ת – mitsvah, mandamento, preceito, encargo (Ne 10:32); מִשְׁמַרְתִּ֗י – mishmereth, guarda, tutela, observação (Lv 18.30; 22:9; Ml 3.14); וּמִשְׁפָּ֖ט – mishpat, julgamento (Êx 15.25, Js 24.25; Sl 119.91; Ez 11.20).

Entretanto, o Novo Testamento apresenta cinco vocábulos para ordenança: διαταγῇ – diatagē, disposição, acordo, decreto (Rm 13.2); δικαιώμασιν – dikaiōmasin, decreto judicial (Lc 1.6; Hb 9.1, 10); δόγμασιν – dogmasin, decreto, ordenança (Ef 2.15; Cl 2.14); κτίσει – ktisei, qualquer coisa feita (1 Pe 2.13), παρέδωκα – paredōka/παραδόσεις – paradoseis, entrega, coisa confiada a alguém (1 Co 11.2).

Portanto, ordenança é um decreto, um mandamento. A ordenança também é um símbolo e, como tal, faz a concretização de uma ideia abstrata.

 

A Ceia do Senhor (2/2)

 

Autor: Plínio Sousa

Divulgação: Reformados 21

Reformados 21
Reformados 21

Site de Teologia e Apologética, cujo intuito é evangelizar, discipular, ensinar, combater as heresias e defender a fé cristã.