A Criação da Mulher

Share
Então o Senhor Deus fez o homem cair em profundo sono e, enquanto este dormia, tirou-lhe uma das costelas, fechando o lugar com carne. Com a costela que havia tirado do homem, o Senhor Deus fez uma mulher e a levou até ele. (Gênesis 2.21-22)

O texto é muito rico em detalhes científicos. Observe que a nomenclatura científica não ocorre por uma razão  bem  simples: o texto  visa  educar  qualquer pessoa,  independente do nível cultural, social e econômico. E essa narrativa o faz com grande precisão e com grande facilidade de compreensão.

Primeiramente, Deus fez o homem cair em profundo sono.

Duas perguntas fundamentais precisam ser respondidas: (1) por quê?; e (2) como?

A razão pela qual Deus fez Adão cair em profundo sono é bastante simples: Ele seria operado (a  remoção  de  uma das suas costelas). Como Deus fez isso também não é um mistério. Nós usamos essa mesma técnica nas cirurgias: anestesia geral.

Anestesia vem da palavra grega (anaesthesis), sem sensação. Desde 1842 a anestesia é  usada em procedimentos cirúrgicos no ocidente, embora esse método já fosse conhecido e utilizado nos tempos antigos por povos da Mesopotâmia (sumerianos, babilônicos e medo-persas), pelos egípcios e chineses. O ópio era o principal agente anestésico. A anestesia faz que o paciente caia em sono profundo, bloqueando temporariamente o seu sistema sensorial.

O primeiro passo foi Deus anestesiar Adão. O procedimento cirúrgico utilizado pelo  Senhor Deus está cientificamente correto. Em segundo lugar, o Senhor Deus removeu uma das costelas de Adão. Existe uma razão  muito especial da escolha desse tipo de material e não de um outro.

Encontramos no sistema ósseo humano a medula óssea, também conhecida como tutano. Esse tecido de aparência gelatinosa preenche a cavidade interna de vários ossos. Ele também é uma fábrica de elementos relacionados com o sangue, como as hemácias (glóbulos vermelhos), os leucócitos  (glóbulos  brancos) e os trombócitos (plaquetas).

A medula óssea vermelha, encontrada, por exemplo,  nas costelas, contém células-tronco (células estaminais). Essas células são células-tronco multipotentes, que podem diferenciar-se numa variedade de tipos de células. Células-tronco  constituem  o  material fundamental  para  o processo de clonagem humana. Como o objetivo principal do Senhor Deus era trazer à existência  um  outro  ser  vivo  semelhante  a  Adão, Ele usou as células-tronco encontradas na medula óssea vermelha da costela removida de Adão, para fazer o primeiro clone humano: Eva.

O segundo passo foi obter o tipo de material genético correto, do local correto, para a criação de Eva. As escolhas do tipo de material genético e do local onde esse material foi obtido, feitos pelo Senhor, estão cientificamente corretas.

Em terceiro lugar, o Senhor fechou o lugar da costela removida com carne. Cirurgias  de reconstrução e correção, conhecidas como cirurgias plásticas, são realizadas na índia desde 800 a.C.

Um procedimento muito  comum  nesse  tipo  de  cirurgia  é o de  auto-transplantação, onde  tecidos,  órgãos  ou  proteínas de uma parte do corpo são transplantados em uma outra parte. Esse tipo de cirurgia é utilizado frequentemente para minimizar ou eliminar deformidades físicas.

O terceiro passo de Deus foi utilizar-se desse processo para eliminar qualquer deformação  física  decorrente  da  remoção  da costela. O procedimento cirúrgico adotado está cientificamente correto.

Em quarto lugar, Deus transforma a costela que Ele removera de Adão (material genético) e a transforma em uma mulher. Como mencionamos  acima, células-tronco são o material básico necessário para a clonagem de  um  novo ser vivo a partir do material do doador.

O processo de clonagem propriamente dito nada mais é que a produção de um novo indivíduo criado a partir do material genético de um doador. Animais e plantas são clonados frequentemente pelos cientistas ao redor do mundo. Adão foi o doador e Eva foi o novo ser vivo clonado.

O quarto passo foi Deus utilizar o material genético de Adão para produzir um ser semelhante a ele. O procedimento genético adotado está cientificamente correto.

E  em  quinto e último  lugar, Deus transforma o material genético masculino em material genético feminino.

O  ser  humano  possui  um  par de  cromossomos  responsável pela  determinação  do sexo. Masculino e feminino são as  duas únicas possibilidades sexuais produzidas por esse par. Seres humanos do sexo masculino possuem o par XY. Seres humanos do sexo feminino possuem o par XX.

O  cromossomo Y humano possui cerca de 60  milhões de pares de base.3 Ele é passado de pai para filho. O cromossomo X humano possui cerca de  153  milhões de pares de base.

Sendo que  a  mãe possui o par de  cromossomos XX e o pai o par XY, é fácil perceber que é o material genético do pai que determina o sexo da criança. A mãe contribui apenas com um dos dois cromossomos X que ela possui. Já o pai pode contribuir tanto com o cromossomo Y quanto com o X.

Adão foi criado com o par XY. Ele era do sexo masculino. Para que Eva  fosse criada, Deus precisaria  apenas  duplicar geneticamente o cromossomo X de Adão, formando o par XX. Esse procedimento de alteração  genética é conhecido pela ciência como engenharia genética.

O último passo foi o Senhor Deus duplicar geneticamente o cromossomo X de Adão. O procedimento genético utilizado está cientificamente correto. Uma pequena  nota, digna de reflexão. Se Deus tivesse apenas clonado, mas não alterado o material genético de Adão, então no jardim do Éden estariam apenas Adão e Ivo, em vez de Adão e Eva. Seria impossível que a ordem de Deus fosse cumprida: … crescei e multiplicai!

 

 

NOTA:

  1. Existem quatro bases diferentes, conhecidas como nudeotídeos, encontradas no DNA (ácido desoxirribonudeico): adenina (A), timina (T), guanina (G) e citosina (C). A adenina forma um par de base com a timina e a guanina forma ou um outro par de base com a dtosina.

 

 

Autor: Adauto Lourenço

Trecho extraído do livro Gênesis 1 e 2, pág 190-194. Editora: Fiel

 

Reformados 21
Reformados 21
Site de Teologia e Apologética, cujo intuito é evangelizar, discipular, ensinar, combater as heresias e defender a fé cristã.