Tipologia: O “calcanhar de aquiles” dos teólogos

Share

Introdução

Neste artigo, pretendo demonstrar qual a natureza e a importância da tipologia dentro da hermenêutica bíblica, e com base nessa definição, explanar brevemente como o dispensacionalismo e a teologia da aliança a usam, evidenciando que é exatamente nessa área onde ambas as escolas erram.

O debate entre o dispensacionalismo e a teologia da aliança é um dos mais acalorados e difíceis. O dispensacionalismo, como um movimento, teve inicio no século 19 na Inglaterra. Originalmente era associado a nomes como John Darby (1805-1882), Benjamin Newton (1807-1899) e George Muller (1805-1898); e na América do Norte, a nomes como D. L. Moody (1837-1899), J. R. Graves (1820-1893) e C. I. Scofield (1843-1921). A Teologia Sistemática mais extensa dentro do ponto de vista dispensacional são os 8 volumes de Lewis Sperry Chafer.

Dentro do movimento, podemos distinguir entre o dispensacionalismo clássico, modificado e progressivo. Este último tem muitas similaridades com a teologia da aliança, e foi um desenvolvimento para melhor (dentro do dispensacionalismo), e qualquer sistema que deseja corrigir-se pelas Escrituras merece nossa apreciação. No coração do dispensacionalismo está a distinção entre Israel e a igreja, essa é a sine qua non dessa visão.

A teologia da aliança, como um sistema bíblico-teológico, tem suas raízes na reforma, com homens como Ulrich Zwinglio (1484-1531), Heinrich Bullinger (1504-1575), João Calvino (1509-1564), e na era pós-reforma foi sistematizada por Herman Witsius (1636-1708) e Johannes Cocceius (1603-1669), e foi habilmente apresentada na Confissão de Fé de Westminster (1643-1649), bem como em outras confissões reformadas. A teologia da aliança enfatiza a continuidade entre Israel e a igreja, e uma das implicações eclesiológicas disso é a justificativa para o batismo infantil, entendendo o batismo como idêntico a circuncisão do AT.

Os dispensacionalistas e os não dispensacionalistas (teologia da aliança) concordam em muitas coisas e não deveríamos exagerar nas diferenças. A discordância que sobe ao trono para reger esse debate é sobre a natureza e relação entre Israel e a Igreja. Entretanto, precisamos conhecer a fonte desse embate; para isso nos voltamos agora para a tipologia.

Tipologia: significado e importância

Primeiramente, é de suma importância diferenciar a tipologia da alegoria. A tipologia está fundamentada na história, no texto, no desenvolvimento intertextual, onde várias “pessoas, eventos e instituições” são intencionados por Deus para corresponder com outros,1 enquanto a alegoria não está preocupada com nada disso. Pelo fato de a alegoria não estar embasada na intenção original do autor nem na intertextualidade, ela necessita de alguma espécie de “intratextualidade” para fundamentar sua explanação. Nas palavras de Kevin Vanhoozer, a interpretação alegórica é representada pela estratégia interpretativa que declara “essa (palavra) significa esse (conceito)2 que é determinado por um quadro extratextual.

Mas esse não é o caso da tipologia. Ao analisarmos os seis textos no Novo Testamento que tratam explicitamente da tipologia (Rm 5.14; 1Co 10.6; 1Pe 3.21; Hb 8.5 e 9.24), notamos um padrão que claramente o distingue da alegoria. Mas que padrão é esse? Vamos definir tipologia.

A tipologia como um exercício hermenêutico do Novo Testamento é o estudo da realidade histórico-redentora do Antigo Testamento ou “tipos” (pessoas, eventos e instituições) a qual Deu especialmente designou para corresponder a, e profeticamente prefigurar seu aspecto antitípico intensificado e cumprido (inaugurado e consumado) na história da salvação no Novo Testamento.3 Dessa definição, dois pontos precisam ser explanados:

  1. Tipologia está enraizada na realidade histórica e textual. Isso envolve uma relação orgânica entre “pessoas, eventos e instituições” da sua própria época com as épocas posteriores.4 Horizontes textuais e históricos são vinculados com horizontes posteriores na revelação da redenção. Possui uma conexão orgânica entre as promessas de Deus e seu cumprimento.5

Tipologia é profética e preditiva. Ainda que tipologia seja diferente de profecia, pois a última é direta enquanto a primeira é indireta,6 é o propósito de Deus que o tipo aponte para além de si mesmo, para seu cumprimento ou “antítipo” em uma época posterior da história da salvação. Por isso, tipologia não é mera analogia, mas são padrões/modelos que se intensificam e apontam para sua suprema culminação em Cristo.7

Podemos resumir o caráter da tipologia de duas maneiras: Primeiro, envolve uma repetição do padrão “promessa-cumprimento” na história da redenção, onde todos os tipos encontram seu cumprimento em pessoas, eventos e instituições posteriores, mas finalmente todos os tipos são cumpridos em Cristo. E, em segundo lugar, a tipologia tem um caráter “a fortiori”, i.e., do menor para o maior (como a exegese rabínica Qal wachomer), onde o tipo apresenta um escala crescente, enquanto é cumprido em seu Antítipo na história da redenção. Sendo assim, o antítipo sempre é maior que seu tipo. Por exemplo, Jesus, como segundo Adão, Rei Davídico, Filho de Deus, profeta, Sumo Sacerdote, etc, é sempre maior que seus tipos anteriores (respectivamente, Adão, Davi, Israel, os profetas e os sacerdotes).

O erro do dispensacionalismo

O sistema teológico dispensacionalista emprega a tipologia, mas nunca de uma maneira preditiva ou profética no que diz respeito à terra prometida e a nação de Israel serem “tipos” de Cristo, aquele que é o “verdadeiro Israel”. Da mesma maneira, a teologia da aliança emprega tipologia, mas nunca em termos do princípio genealógico da aliança abraâmica (o que veremos abaixo). É curioso observarmos como o dispensacionalismo e a teologia da aliança empregam a tipologia em vários lugares e chegam a resultados semelhantes. Por exemplo, ambos concordam que Adão, Moisés, Davi, profetas, sacerdotes e reis apontavam para e foram cumpridos em Cristo. Eles concordam que o sistema sacrificial, o tabernáculo/templo, apontavam para a vinda de Cristo, que trouxe seu cumprimento e o grande evento do Êxodo, que antecipou a grande redenção conquistada por Cristo.8

No entanto, ambas as visões não empregam a tipologia em áreas que afetam seu sistema teológico, e são nessas áreas que necessitamos ser precisamente bíblicos.

Na teologia dispensacionalista, não se aplica a tipologia para a terra prometida e a nação de Israel, porque segundo eles, essas coisas terão seu cumprimento literal na era milenar. No entanto, a terra prometida era um tipo do Éden e teve seu cumprimento na inauguração da nova criação. Dessa forma, Cristo, o antítipo de Israel, recebe a terra prometida e a leva a seu cumprimento através da inauguração da nova aliança que é organicamente ligada a nova criação.9 Mas o dispensacionalismo nega que a terra de Israel é um padrão tipológico e nega que Cristo seja o antítipo de Israel.

Como nós vimos acima, o tipo é a sombra e o antítipo é a realidade, e o significado do antítipo sempre excede e ultrapassa o do tipo. No entanto, a visão dispensacionalista rejeita isso, e afirma que os tipos não são necessariamente sombras, e que tanto o tipo como o antítipo devem ter seus significados em seus respectivos contextos enquanto mantém uma relação tipológica entre eles.10

David Baker afirma que a tipologia não está fundamentada na exegese, e não tem a intenção de apontar para além de si mesmo para sua realidade antitípica, mas se baseia na analogia entre duas pessoas, eventos e instituições, os quais são conhecidos apenas retrospectivamente; os tipos não prefiguram algo no futuro se o objeto futuro tiver um significado diferente do contexto original do tipo. E mesmo que o Novo Testamento interpretar o Antigo Testamento tipológicamente, a não ser que o Novo Testamento explicitamente cancele o significado do tipo do Antigo Testamento, o texto do Antigo Testamento ainda tem força.11

Feinberg diz que um entendimento apropriado da tipologia nos informa que, mesmo se o NT interpreta o AT tipológicamente, e mesmo que façamos o mesmo, isso não nos permite ignorar ou cancelar o significado do tipo ou substituir o significado do tipo pelo do antítipo… [Tipos] são pessoas, eventos e promessas concretas e históricas. Eles olham para o futuro, mas não de uma maneira que faz seu significado equivalente ao do antítipo… Os antítipos do NT nem implícita nem explicitamente cancela o significado dos tipos do AT.12

Obviamente discordo do conceito de tipo de Feinberg, o que me leva a uma segunda observação.

Por que Feinberg argumenta dessa maneira? Encontramos a resposta ao longo de toda a discussão sobre o que é essencial na teologia dispensacional, ou seja, a convicção de que a terra prometida para o Israel étnico e Israel como nação não são tipológicos num sentido preditivo, onde Cristo, como o novo Israel, é quem trás com ele o antítipo da terra, que é a nova criação.

Feinberg está persuadido que adotar esse tipo de visão irá contra o que ele acredita ser a incondicionalidade da promessa feita a Abraão. Entretanto, através de uma exegese séria das alianças bíblicas, o texto do AT apresenta tanto a terra como a nação como tipos e padrões de algo maior. Na aliança da criação com Adão, o Éden é apresentado como um arquétipo, no qual posteriormente a terra prometida olha para trás, mas também olha para frente, para a antecipação e conquista da nova criação. Além do mais, Adão, como um “cabeça da aliança”, é o tipo do último Adão que viria, e quando nos movemos através das alianças, Adão e o Éden são desenvolvidos em termos de Noé, Abraão e sua semente, a nação de Israel e sua terra, e finalmente no Rei Davídico que governaria sobre toda terra.13 De fato, enquanto as alianças são reveladas, há evidências bíblicas para desenvolvimentos intertextuais de todos esses padrões, de maneira que quando a nova aliança é inaugurada pelo último Adão, o verdadeiro Israel, nosso Senhor Jesus Cristo, os tipos, que apontam para além de si mesmos, encontram seu terminus e cumprimento em Cristo e na era da Nova Aliança.14

Entendo que essa construção da linha histórica da Escritura é mais “bíblica”, uma vez que faz justiça como as alianças são reveladas e encontram seu telos em Cristo.

O erro da teologia da aliança

Mas, e quanto à teologia da aliança? Com relação ao seu entendimento da relação entre as alianças, dois pontos irão ilustrar onde discordo.

Primeiro, a visão da teologia da aliança sobre o princípio genealógico está errada. É um erro pensar que o principio genealógico da aliança Abraâmica não é reinterpretado quando nos movemos da promessa para o cumprimento.

Sob as alianças do AT, o principio genealógico, isto é, a relação entre o mediador da aliança e sua semente era física (p. ex. Adão, Noé, Abraão, Davi). No entanto, agora, em Cristo e sob Sua mediação, a relação entre Cristo e sua semente não é mais física, mas espiritual, o que implica que o sinal da aliança deve ser aplicado somente naqueles que de fato são a semente espiritual de Abraão.15

Esse é o coração da Nova aliança em Jeremias 31. O Senhor iria se unir com o espiritualmente renovado povo da aliança, onde todos iriam conhecê-lo, em contraste com a nação mista de Israel, que quebrou a aliança. Todas as pessoas da Nova Aliança seriam marcadas pelo conhecimento de Deus, pelo pleno perdão de seus pecados e pela realidade da circuncisão do coração, que iria permitir que eles guardassem a aliança e não quebrá-la.

Em outras palavras, a teologia da aliança falha em perceber a significante progressão das alianças através da história da redenção, particularmente a relação entre o mediador da aliança e sua semente, não percebendo corretamente que o princípio genealógico mudou de Abraão para Cristo, e também a “novidade” da Nova Aliança.16

A sua ênfase na continuidade da aliança da Graça os levou a não enxergarem as diferenças entre as alianças e a construir erroneamente a natureza da comunidade da Nova Aliança.17

Em segundo lugar, o coração do problema da teologia da aliança é não ver consistentemente Cristo como o antítipo de Israel. A critica é semelhante a nossa avaliação da teologia dispensacional, mas com razões diferentes.18 No caso da teologia da aliança, contra a teologia dispensacional, entende-se que Cristo seja o “verdadeiro Israel”, mas se move muito rápido de Israel para a igreja, sem primeiro pensar em como Israel como um tipo nos leva a Cristo, o antítipo, o que acarreta em importantes implicações eclesiológicas.19 É por esse motivo que a teologia da aliança tem errado em diferenciar os sinais das alianças e suas comunidades.

A melhor maneira de conceber essas relações é notando como, enquanto nos movemos do tipo para o antítipo, dos cabeças das alianças, tais como Adão, Noé, Abraão, Moisés/Israel e Davi para Cristo, devemos ver Israel primeiramente em relação a Cristo do que em relação à igreja.

É por isso que, como argumento, é errôneo ver a igreja meramente como uma substituição de Israel, ou algum tipo de “renovação” dele. De alguma maneira, a igreja é nova num sentido histórico-redentor.20

Por causa da sua identificação com Cristo, que é o antítipo de Israel e o cabeça da nova criação, a igreja é um “novo homem” (Ef 2. 11-22) e sua natureza e estrutura difere da antiga Israel.

Tudo isso é verdade pelo fato de Cristo ter cumprido todas as alianças anteriores, e ter inaugurado uma nova aliança. Nós, o povo da nova aliança, recebemos os benefícios da obra de Cristo somente de uma maneira – através do arrependimento individual para com Deus e da fé no nosso Senhor Jesus Cristo – e através da graça e do poder de Deus, somos transferidos do estado “em Adão” para estarmos “em Cristo”, com todos os benefícios dessa união.21

Além do mais, o NT é claro: estar em Cristo e ser membro da nova aliança implica uma pessoa regenerada, uma vez que o Novo Testamento não conhece nada parecido com alguém estando em Cristo, sem ter sido chamado eficazmente pelo Pai, nascido do Espírito, justificado, santo e aguardando a glorificação (Ver Rm 8.28-29)

Conclusão

Quando só temos extremos entre continuidade e descontinuidade, condicionalidade e incondicionalidade, identificação total ou distinção total, ao analisarmos as Escrituras como um todo, e como suas partes se relacionam orgânica e progressivamente uma com as outras, optamos por uma via média, ou seja, um meio termo entre essas duas linhas teológicas (não simplesmente para sermos moderados, mas porque acreditamos ser a alternativa “mais” bíblica). O debate entre a teologia da aliança e o dispensacionalismo está longe de acabar, e espero que com esse breve artigo, nós sejamos desafiados a sermos cada vez mais fiéis às Escrituras, tanto em nosso pensar como em nosso agir, que digamos como Lutero: Nossa consciência está cativa à Palavra de Deus!

 

 

NOTAS:

  1. Peter Gentry e Stephen Wellum, Kingdom throught Covenant (Crossway, 2012), p. 102.
  2. Kevin Vanhoozer, “Is there a meaning on the text?” p. 119.
  3. Essa definição é um sumário da discussão de Richard Davidson, Tipology in scripture, pp. 397-408.
  4. Peter Gentry e Stephen Wellum, op. cit., p. 103.
  5. Cf. Richard Lints, Fabric of theology, p. 304.
  6. Grant Osborne, A espiral hermenêutica, p. 102.
  7. Cf. Gentry e Wellum.
  8. Op. cit, p. 122.
  9. Ibid.
  10. Cf. Feinberg, Sistem of discontinuity, p. 78.
  11. Ibid, p. 77-79. David Baker, Two Testaments, One Bible, 169-189.
  12. Ibid.
  13. Cf. Gentry e Wellum, 124.
  14. Ibid.
  15. Ibid.
  16. Ibid, p. 125.
  17. Ibid.
  18. Ibid.
  19. Ibid.
  20. Ibid.
  21. Ibid.

 

 

Autor: Willian Orlandi

Fonte: Novo Êxodo

Reformados 21
Reformados 21

Site de Teologia e Apologética, cujo intuito é evangelizar, discipular, ensinar, combater as heresias e defender a fé cristã.