O Jejum (1/2)

Share

Voltamo-nos agora para a consideração da terceira ilustração oferecida por nosso Senhor sobre como nos deveríamos conduzir nessa questão da retidão pessoal. Nos capítulos quarto e quinto voltaremos ao nosso estudo pormenorizado do ensino de Jesus concernente à oração, especialmente como é dado na comumente intitulada “oração do Pai Nosso”. Porém, antes disso, parece-me que deveríamos ter bem claras na mente essas três ilustrações particulares sobre a retidão pessoal. Você deve estar lembrado de que nesta seção do Sermão do Monte nosso Senhor falava sobre a questão da retidão pessoal. Ele já havia descrito o crente em sua atitude geral em relação à vida — a sua vida mental, se assim alguém preferir chamá-la. Aqui, entretanto, estamos considerando mais de perto a conduta cristã.

A declaração geral de nosso Senhor foi a seguinte: Guardai-vos de exercer a vossa justiça diante dos homens, com o fim de serdes vistos por eles; doutra sorte não tereis galardão junto de vosso Pai celeste (Mateus 6:1). Já tivemos oportunidade de salientar como nosso Senhor mostrou que nossa vida cristã pode ser dividida em três seções principais. Há aquele aspecto ou porção de nossas vidas em que fazemos o bem ao próximo — a doação de esmolas. Também há a questão de nossa relação pessoal e íntima com Deus — a nossa vida de oração. E o terceiro ponto é justamente aquele que vamos considerar nos versículos 16 a 18 — a questão da disciplina pessoal na vida espiritual do indivíduo, considerada especialmente em termos do jejum. Entretanto, é importante que entendamos que aquilo que o Senhor disse neste trecho, acerca do jejum, é igualmente aplicável à questão inteira da disciplina em nossa vida espiritual. Tenho os meus contatos pessoais com homens e mulheres; tenho os meus contatos com Deus; e também entro em contato comigo. Por semelhante modo, podemos pensar nessa tríplice divisão em termos daquilo que faço acerca dos meus semelhantes, acerca de Deus e acerca de mim mesmo. Esta última divisão é o tema que o Senhor Jesus tomou em Suas mãos, neste breve parágrafo bíblico.

Não podemos ventilar essa declaração a respeito do jejum sem antes fazermos algumas poucas observações gerais e preliminares. Penso que todos deveríamos ficar impressionados, logo de saída, diante do fato que há uma constante necessidade de mudança de ênfase, não somente em nossa pregação do Evangelho, mas também em toda a nossa abordagem do Evangelho e em nossa maneira de pensar a respeito. Embora a verdade permaneça imutável, não obstante, por causa de seu caráter multilateral, e porque a natureza humana é aquilo que é, em resultado do pecado, em certas épocas particulares da História da Igreja tem havido necessidade de alguma ênfase especial sobre determinados aspectos da verdade. Esse princípio pode ser detectado na própria Bíblia. Existem aqueles que gostariam que acreditássemos que houve um imenso debate, ao longo do período do Antigo Testamento, entre os sacerdotes e os profetas, ou seja, entre aqueles que frisavam as boas obras e aqueles que destacavam a fé, respectivamente. Mas a verdade, como facilmente se verifica, é que jamais houve tal conflito, jamais houve qualquer contradição dessa ordem. Houve, sim, indivíduos que emprestaram uma falsa ênfase a aspectos particulares da verdade, e isso exigiu correção. O ponto que estou salientando é que em uma época em que a ênfase sacerdotal estava em grande voga, o que se tornava especialmente necessário era a ênfase sobre o elemento profético. Mas, em outras ocasiões, quando o interesse cambava demasiadamente para o lado do elemento profético, era chegado o tempo de se reequilibrar a balança, e o povo era novamente lembrado a respeito do aspecto sacerdotal.

Vê-se a mesma coisa acontecendo nas páginas do Novo Testamento. Assim, não há qualquer contradição verdadeira entre Tiago e Paulo. Somente uma visão particularmente superficial da doutrina neotestamentária é que diz que esses dois homens se contradiziam mutuamente em seus ensinamentos. Eles não o fazem. Antes, cada um deles, em face de determinadas circunstâncias, foi impelido pelo Espírito Santo a dar determinada ênfase à verdade. Como é evidente, Tiago escrevia para pessoas que se inclinavam por dizer que enquanto estivessem confiando no Senhor Jesus Cristo tudo estaria bem com eles, não havendo necessidade alguma de se preocuparem. Isso posto, a única coisa que podia ser dita a tais indivíduos era a seguinte: … a fé sem obras é morta (Tiago 2:26). Todavia, se tivermos de tratar com pessoas que vivem chamando atenção para aquilo que fazem, que dão excessiva importância às obras, então será mister enfatizarmos diante delas esse notável aspecto e elemento da fé.

Neste contexto, lembro-me de tudo isso porque, particularmente para os evangélicos, toda essa questão do jejum quase desapareceu de nossa prática diária, e até mesmo do campo das nossas considerações. Com que frequência e com que extensão temos pensado a respeito disso? Que lugar o jejum ocupa em toda a nossa perspectiva da vida cristã e da disciplina nela envolvida? Sugiro que a verdade provável é que apenas mui raramente temos meditado sobre isso. Porventura já jejuamos alguma vez? Porventura já nos ocorreu pensar demoradamente sobre a questão de jejum? O fato é que toda essa questão parece haver sido inteiramente excluída de nossas vidas, e até mesmo de nosso pensamento cristão, não é verdade?

Não encontramos dificuldade alguma para descobrir a causa disso. Trata-se de uma óbvia reação contra o ensino do catolicismo romano, assim chamado, em todas as suas variegadas formas. O ensino católico, quer da Igreja Anglicana, quer da Igreja Católica Romana, quer de outra variedade qualquer, sempre deu grande preeminência a essa questão do jejum. E a posição dos evangélicos não é algo que sobreviva por si só; pelo contrário, em adição a isso, será sempre uma reação contra as doutrinas do catolicismo. A tendência dessa reação sempre será ir longe demais. Nesta instância, por causa da falsa ênfase católica sobre o jejum, que com toda razão é repelida pelos evangélicos, tendemos por cair no extremo oposto, deixando inteiramente de lado o jejum, em nossas considerações e em nossa prática diária. Não seria esse o motivo por que a vasta maioria dos evangélicos nunca nem sequer considerou com seriedade essa questão do jejum? Tenho observado certas indicações que mostram que esse é um assunto que gradualmente começa a ser outra vez considerado entre os evangélicos. Numa época como a nossa, em que homens e mulheres estão começando a considerar com uma nova seriedade a época e o dia em que estamos vivendo, e quando muitos estão começando a aguardar o reavivamento e o despertamento espirituais, essa questão do jejum se tem tornado mais e mais importante. Mui provavelmente, você descobrirá que, gradativamente, a questão do jejum irá sendo colocada em maior evidência, e, por essa razão, é recomendável que estudemos juntos a questão. Inteiramente à parte desse fato, entretanto, esse tema figura no Sermão do Monte; e não nos assiste qualquer direito de escolher o que queremos e o que não queremos aceitar nas Escrituras Sagradas. É imprescindível que aceitemos o Sermão do Monte tal e qual ele é, e nesta passagem a questão do jejum se impõe diante de nós. Por conseguinte, cumpre-nos considerá-la.

Nesta altura de Seu sermão, nosso Senhor estava primariamente interessado por um único aspecto desse tema do jejum, a saber, a tendência de nos ocuparmos dessas diversas práticas religiosas com o único objetivo de sermos vistos pelos homens. Ele se preocupava com essa nossa tendência para o exibicionismo, e, por conseguinte, isso é algo que temos de levar em conta. Porém, sinto que, em face da negligência a que esse tema tem sido relegado, também nos é justo e proveitoso considerá-lo de maneira mais geral, antes de atingirmos o ponto particularmente enfatizado por nosso Senhor.

Abordaremos a questão da maneira que se segue. Na realidade, qual é o papel do jejum na vida do crente? Onde cabe essa prática, dentro do ensinamento bíblico? De modo geral, a resposta é a seguinte: trata-se de uma prática ensinada no Antigo Testamento. De acordo com a lei de Moisés, os filhos de Israel tinham recebido a ordem de jejuar uma vez por ano, o que era um estatuto obrigatório para aquela nação e para aquele povo, para sempre. Mais adiante, aprendemos que, devido a certas divergências nacionais, o próprio povo judeu acrescentou certos jejuns adicionais. Contudo, o único jejum diretamente ordenado por Deus foi aquele grande jejum anual. Ao chegarmos aos dias do Novo Testamento, descobrimos que os fariseus costumavam jejuar duas vezes por semana. Jamais Deus determinara tal prática, mas eles assim faziam, e pensavam que isso fosse uma porção vital de sua vida religiosa. A tendência de certas pessoas religiosas sempre será ir além daquilo que está escrito na Bíblia; e essa era a posição dos fariseus.

Quando examinamos o ensino do Senhor Jesus, descobrimos que embora Ele nunca tivesse ensinado diretamente que alguém jejuasse, sem dúvida Ele ensinava indiretamente essa prática. Em Mateus 9, lemos que a Jesus dirigiram uma pergunta específica acerca do jejum. Perguntaram-Lhe: Por que jejuamos nós e os fariseus [muitas vezes], e teus discípulos não jejuam? Respondeu-lhes Jesus: Podem acaso estar tristes os convidados para o casamento, enquanto o noivo está com eles? Dias virão, contudo, em que lhes será tirado o noivo, e nesses dias hão de jejuar (v. 14 e 15). Parece-me que nesse trecho, de forma evidente, temos o ensino implícito sobre o jejum, e quase mesmo a sua defesa. Seja como for, o que não se pode duvidar é que Jesus nunca proibiu o jejum. De fato, no trecho que ora consideramos, a Sua aprovação ao jejum é claramente obviada. O que Ele disse foi: Tu, porém, quando jejuares, unge a cabeça e lava o rosto (Mateus 6:17). Com base nessas palavras de Jesus, portanto, concluímos que, para Ele, o jejum nada tinha de errado e era recomendável ao povo crente. E nós mesmos estamos informados de que Ele jejuou por quarenta dias e quarenta noites, quando, no ermo, foi tentado por Satanás.

Então, passando além da doutrina e da prática de nosso Senhor, e chegando à doutrina e à prática da Igreja primitiva, descobrimos que o jejum era praticado pelos apóstolos. A Igreja de Antioquia, ao enviar Paulo e Barnabé, na primeira viagem missionária deles, só o fez depois de um período de oração e jejum. De fato, em qualquer ocasião importante, quando confrontada por alguma decisão vital, a Igreja primitiva sempre parecia entregar-se à prática da oração e do jejum, e o apóstolo Paulo, ao referir-se a si mesmo e à sua vida cristã, aludiu aos “jejuns” entre as suas práticas e aflições (ver 2 Coríntios 6:5). É patente que, para Paulo, jejuar era um aspecto regular de sua vida. Ora, aqueles que se interessam pelas questões atinentes à crítica textual deverão estar lembrados de que, no trecho de Marcos 9:29, onde nosso Senhor diz: Esta casta não pode sair senão por meio de oração e jejum, a verdade mais provável é que as palavras finais, “e jejum”, não deveriam constar do texto, segundo os melhores documentos e manuscritos; mas isso é bastante inconsequente no que concerne à questão geral do jejum, pois dispomos de todas aquelas outras passagens neotestamentárias que nos mostram claramente que o jejum é reconhecido como prática correta e valiosa. E quando inquirimos a História subsequente da Igreja, descobrimos precisamente a mesma coisa. Os santos de Deus, em todas as épocas e em todos os lugares não somente têm crido no jejum, mas também o têm posto em prática. Isso ocorreu entre os reformadores protestantes, e, sem dúvida, foi observado também na vida dos irmãos Wesley e na vida de George Whitefield. Admito que eles tendiam por jejuar muito mais antes do que depois de se terem convertido; não obstante, continuaram jejuando após se haverem convertido. E os que estão familiarizados com a vida do grande crente chinês, pastor Hsi, da China, devem estar lembrados de como o pastor Hsi, defrontado por algum problema novo e excepcionalmente difícil, invariavelmente observava um período de jejum e oração. O povo de Deus sempre sentiu que o jejum não somente é uma prática correta, mas também que ela se reveste de imenso valor, quanto aos seus efeitos, sob determinadas circunstâncias.

Portanto, se esse é o pano de fundo histórico, aproximemo-nos um pouco mais diretamente da questão, a fim de sondá-la. No que consiste, exatamente, o jejum? Qual é o seu propósito? Não se pode duvidar que, em última análise, trata-se de algo alicerçado sobre uma compreensão da relação entre o corpo e o espírito. O homem se compõe de corpo, mente e espírito, e esses elementos estão intimamente relacionados entre si, interagindo uns sobre os outros, bem de perto. Distinguimos entre esses elementos que constituem o ser humano porque são diferentes, mas não devemos separá-los, porquanto há entre eles inter-relação e interação. Não se pode duvidar que os estados e condições corporais exercem influências sobre as atividades da mente e do espírito, pelo que também essa questão do jejum deve ser levada em conta dentro dessa peculiar relação entre o corpo, a mente e o espírito. O que o jejum realmente significa, por conseguinte, é a abstinência de alimentos com vistas a propósitos espirituais. Essa é a noção bíblica do jejum, que precisa ser distinguida daquilo que é puramente físico. A noção bíblica do jejum é que, por causa de certos objetivos e razões espirituais, homens e mulheres resolvem fazer abstinência de alimentos.

Ora, esse é um ponto importantíssimo, razão por que deveríamos também colocá-lo sob forma negativa. Recentemente, eu estava lendo um artigo que abordava esse assunto e onde o autor se referia àquela declaração do apóstolo Paulo, em 1 Coríntios 9:27, onde se lê: Mas esmurro o meu corpo. O apóstolo diz que ele fazia isso a fim de que pudesse realizar a sua obra com maior eficiência. O escritor dizia ali que isso ilustra a prática do jejum. Ora, sugiro que necessariamente esse texto nada tem a ver com o jejum. Isso é o que eu chamaria de disciplina geral do ser humano. Sempre deveríamos esmurrar o próprio corpo, mas isso não quer dizer que sempre deveríamos jejuar. O jejum, pelo contrário, é algo incomum, excepcional, algo que um homem põe em prática apenas ocasionalmente, com uma finalidade especial, ao passo que a disciplina pessoal deveria ser algo perpétuo e permanente. Por conseguinte, não posso aceitar textos como Esmurro o meu corpo e Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena (1 Coríntios 9:27 e Colossenses 3:5), como se eles fizessem parte do ensino do jejum. Em outras palavras, a moderação ao comer não equivale a jejuar. A moderação ao comer faz parte da disciplina pessoal no tocante ao corpo, sendo uma excelente maneira de esmurrá-lo; mas isso não é a mesma coisa que jejuar. Jejuar é abster-se completamente de alimentos, na busca de certos alvos especiais, como a oração, a meditação ou a busca do Senhor, devido a alguma razão peculiar, ou sob circunstâncias especiais.

Para completar a nossa definição, deveríamos acrescentar que o jejum, quando realisticamente concebido, não somente deve confinar-se à questão de alimentos sólidos e líquidos; pelo contrário, o jejum, na realidade, deveria incluir a abstinência de qualquer coisa, legítima em si mesma, tendo-se em vista algum propósito espiritual especial. Existem muitas funções corporais corretas, normais e perfeitamente legítimas, mas que, por razões peculiares e especiais, também deveriam ser submetidas a controle, em determinadas circunstâncias. Isso é jejuar. Conforme estou sugerindo, temos aqui uma espécie de definição geral do que se deveria entender por jejum.

Antes de pensarmos sobre as diferentes maneiras de se observar o jejum, ponderemos sobre como devemos considerar e abordar a questão inteira do jejum. Novamente, dividir o assunto é questão simples, pois, afinal de contas, há somente a maneira errada e a maneira certa de o observarmos. Sim, há certas maneiras erradas de jejuar. Eis uma delas. Se jejuarmos de maneira mecânica, ou meramente com a finalidade de jejuar, então sugiro que estaremos violando o ensino bíblico atinente à questão toda. Em outras palavras, se eu fizer do jejum uma finalidade em si mesma, algo acerca do que eu possa dizer: “Bem, agora que eu me tornei crente, terei de jejuar em tal dia e em tal época do ano, porque isso faz parte da religião cristã”, então seria melhor se eu não jejuasse. O elemento especial do jejum desaparece quando é praticado dessa maneira.

Isso é algo que não ocorre somente no caso do jejum. Porventura não vimos exatamente a mesma coisa no tocante à oração? É boa norma, quando possível, as pessoas fixarem certas ocasiões especiais para se dedicarem à oração. Porém, se eu traçar o meu programa para um determinado dia e resolver que às horas tais eu terei de orar, e então puser-me a orar somente para cumprir o programa traçado, não estarei mais orando verdadeiramente. Dá-se precisamente o mesmo na questão do jejum. Há pessoas que abordam o problema precisamente assim. Tornaram-se crentes, mas preferem agora submeter-se a alguma espécie de lei, de norma. Preferem que se lhes diga exatamente o que devem e o que não devem fazer. Em determinado dia da semana não podem comer carne, e coisas desse tipo. Isso é algo que nunca deve ser utilizado na prática cristã, a saber, não comer tal ou qual coisa em certo dia da semana ou do ano! Ou então, abster-se de alimentos, ou comer menos, em certos períodos do ano, e assim por diante. Em tudo isso oculta-se uma sutil ameaça. Qualquer coisa que fizermos somente por fazê-la, como se fosse uma rotina, certamente viola ensinamentos bíblicos importantes. Jamais deveríamos considerar o jejum como um fim em si mesmo.

Contudo, devemos adicionar a isso algo do que já havia ficado entendido, e que poderia ser expresso como segue: Jamais deveríamos considerar o jejum como parte integrante da disciplina pessoal. Algumas pessoas afirmam que é excelente a prática de não se comer certas coisas em determinados dias da semana, ou então que, em dados períodos do ano, nos deveríamos abster de certas coisas. Dizem elas que isso é excelente do ponto de vista da disciplina pessoal. Na verdade, a disciplina é algo que deve ser permanente, é algo que deve ser perpétuo. Sempre deveríamos estar exercendo disciplina quanto a nós mesmos. Quanto a isso, não pode haver contestação. Sempre deveríamos refrear os nossos corpos, sempre deveríamos segurar com firmeza as rédeas que nos controlam a vida diária, sempre deveríamos sujeitar-nos à disciplina, em todas as facetas da vida. Portanto, é um erro grave reduzir o jejum meramente a uma parcela do processo da disciplina pessoal. Pelo contrário, a disciplina é algo para o que eu deveria apelar a fim de atingir aquele terreno espiritual mais elevado das orações dirigidas a Deus, ou da meditação ou da intercessão intensa. E isso situa o jejum dentro de uma categoria inteiramente diferente da disciplina pessoal.

Uma outra forma de se entender erroneamente o jejum pode ser descrita como segue. Existem algumas pessoas que jejuam porque esperam resultados diretos e imediatos do jejum. Em outras palavras, consideram o jejum como uma espécie de aparelho mecânico; por falta de melhor ilustração, elas têm um ponto de vista do jejum que tenho chamado de “moeda na fenda”. Alguém mete uma moeda na fenda de um aparelho qualquer, puxa a manivela, e obtém um resultado imediato. Para muitos essa é a perspectiva do jejum. Se alguém quiser auferir certos benefícios, dizem elas, então que jejue; se alguém jejuar, receberá benefícios imediatos. Essa atitude, todavia, não se limita à questão do jejum. Já vimos que há muitos indivíduos que encaram a oração por esse prisma. Leem relatos de como certos indivíduos, em determinadas oportunidades, resolveram ter vigílias de uma noite inteira dedicada à oração, como vararam a noite em oração e como, em resultado disso, teve início um reavivamento religioso. E assim decidem que também passarão uma noite de vigília, esperando obter resultados idênticos. “Visto que já oramos, forçosamente terá de ocorrer um reavivamento”, dizem os tais. E essas ideias também podem ser encontradas em conexão com os movimentos de “santidade”. Há quem diga que se ao menos obedecermos a certas condições, obteremos uma bênção, com resultados imediatos e diretos. Ora, jamais encontrei qualquer coisa parecida com isso nas Escrituras, em conexão com o jejum ou com qualquer outra prática. Jamais deveríamos jejuar em busca de resultados diretos e imediatos.

 

O Jejum (2/2)

 

Autor: D. Martyn Lloyd-Jones

Trecho extraído do livro Estudos no Sermão do Monte, pág 321-331. Editora: Fiel

Via: Monergismo

Reformados 21
Reformados 21
Site de Teologia e Apologética, cujo intuito é evangelizar, discipular, ensinar, combater as heresias e defender a fé cristã.