É possível Deus falar hoje fora das Escrituras? (2/4)

Share

Os Maiores Problemas Entre a Revelação Moderna e as Escrituras Sagradas

  1. O termo “revelação” no N.T

Em nenhum lugar nas páginas do Novo Testamento há o ensino de que Deus continuaria a trazer novas revelações para o seu povo. As Escrituras apontam para sua perfeição em Apocalipse. Nada mais de revelação deverá ser esperado.

Muitos alegam o fato de terem tido insights (intuições) que podem ser apenas um aspecto da iluminação. Outros afirmam que ouviram a voz de Deus, o que significa que ou estão mentindo ou Deus inaugurou uma terceira aliança na qual ele Se revelará novamente através de Sua comunicação verbal inspirada, infalível e autoritativa, pois Deus não fala de outra maneira, já que ele não é homem. Essas pessoas têm levantado o argumento de que não precisam de tais credenciais, pois até mesmo Balaão profetizou sem credencial de profeta inspirado, o que pode acontecer nos dias de hoje. O problema com este argumento é que, mesmo que Balaão não tivesse credencial de profeta, a sua profecia ficou registrada nas Escrituras Sagradas do Velho Testamento. Onde estão as profecias escrituradas dos profetas modernos?

Não há indício no Velho ou Novo Testamento de que a revelação tenha sido uma prática de cultos para-eclesiásticos, tendo em vista indivíduos e seus mais peculiares e particulares interesses.

A revelação sempre teve como alvo trazer à luz a história da salvação. Ela sempre foi ou para o povo de Israel (a Igreja do VT) ou para a Igreja. Quando a revelação era aplicada a pessoas individualmente, era porque elas, certamente, faziam parte da história da salvação que ficaria escriturada como Palavra de Deus; algo que não pode mais acontecer hoje porque a história já está completa. A revelação nunca foi para consumo particular, e sempre trazia doutrina revelacional (1 Co 14:6,26). A Bíblia nada ensina sobre o uso da revelação para crentes comuns que frequentam a igreja todos os dias. Deus tinha palavras revelacionais (doutrina) para a igreja (1 Co 14:6, 19) ou para os incrédulos (o evangelho) que porventura entrassem na igreja da era apostólica (1 Co 14:26).

O Novo Testamento não ensina nenhuma outra forma de revelação para a Igreja de Cristo. É muito comum, nos dias modernos, pessoas chamarem de “revelação” algum insight que tiveram sobre os assuntos mais particulares de suas vidas (problemas de saúde, negócios, casamentos, problemas existenciais, etc.). Muitos utilizam os exemplos bíblicos de personagem do Velho e Novo Testamentos, e querem imitá-los, dizendo que se aconteceu com eles, pode acontecer também hoje conosco. A fraqueza deste argumento está no fato de que todas as pessoas envolvidas no relato bíblico foram escolhidas por Deus para fazerem parte do processo histórico-redentivo, ou seja, com aquela revelação individual havia algo relacionado a Cristo e seu reino. Elas sempre foram dirigidas por revelações inspiradas e infalíveis. O fato é que hoje as pessoas querem ser guiadas por revelação nos mínimos detalhes de suas vidas, nada tendo a ver com o processo histórico-redentivo, e, além disso, não são guiadas por uma revelação inspirada e infalível. Os profetas modernos, com certeza, têm cometido erros muitos sérios.

O termo grego “APOCALYPSIS”, “revelação”, acontece nas seguintes passagens do Novo Testamento: 1 Pe 5:1; Lc 17:30; Rm 1:17,18; 1 Co 14:30; 2 Ts 3:3; Gl 3:23; 2 Ts 2:6; 1 Pe1:5; 1 Co 3:13; Mt 10:26; Lc 12:2; 2 Ts 2:8; Lc 2:35; Mt 11:27; Lc 10:22; Gl 1:16; 1 Co 14:16; Fp 3:15; 2 Ts 1:7; 1 Pe 1:7,13;4:13; 2 Co 12:1,7; Rm 2:5; Gl 1:12; Ef 1:17; Lc 2:32.

Essas são todas as ocorrências para o termo e derivados. Com exceção de Ef 1:17 e Fp 3:15, onde o termo refere-se à iluminação, em nenhuma destas passagens podemos encontrar outro significado para “revelação” a não ser a manifestação de um mistério que estava escondido. Sendo assim, o termo não pode ser usado para insights que acontecem dentro da própria mente. Quando o termo é usado no sentido de iluminação, o contexto facilmente indicará tal uso. Mas nunca encontraremos o termo sendo usado para profecia com um sentido iluminatório. Muitos liberais têm usado o termo APOCALYPSIS para revelações na própria mente, na alma ou no coração. A revelação do protestantismo liberal acontece no próprio homem. Mas esse uso não é neotestamentário quando se trata de profecia. O liberalismo defende uma revelação antropológica ou existencial, o que não corresponde ao modelo do profetismo bíblico revelacional.

  1. Implicações da comunicação verbal de Deus

Um grande erro cometido pelo movimento de revelação é o fato de não se levar em conta a natureza da comunicação verbal de Deus. Ouvi certo sermão em que o pregador dizia frequentemente o Senhor me falou. Percebi que ele repetiu tantas vezes essa mesma expressão que ficou claro não se tratar de uma comunicação verbal de Deus, mas tudo não passava de um vício de linguagem. Muitas pessoas usam essa linguagem (o Senhor me disse) para seus mais variados palpites da alma. Nunca levam em conta que Deus só fala inspiradamente, autoritativamente e infalivelmente. Quando profetas diziam coisas que Deus não falava, eles eram punidos com a morte, pois isso corresponde a levantar um falso testemunho contra Deus. No mundo dos homens, quando alguém afirma que outra pessoa disse algo que na realidade não disse, pode tornar-se caso de polícia, pois corresponde a um delito grave. Quantas pessoas estão brincando com coisa tão séria! Estão elas colocando palavras falíveis e mentirosas na boca de Deus, e acusando-O de suas falsas revelações.

Algo que precisamos entender ainda sobre a comunicação verbal de Deus é o fato de que Ele sempre conduziu seu povo com uma palavra infalível, inspirada e autoritativa, tanto no Velho quanto no Novo Testamento. O grande problema com as revelações modernas é o fato de que elas não são inspiradas, nem infalíveis, nem autoritativas. Isso significa que Deus incorreu num terrível retrocesso na maneira de dirigir o Seu povo, pois antigamente dirigia Seu povo por meio de revelações inspiradas, e agora por revelações não inspiradas. Por que deixaria Deus Seu povo sofrer tamanho prejuízo nos dias modernos?

  1. A função canônica da comunicação revelacional de Deus

É verdade que muitas coisas que Deus revelou a Israel não foram escritas. Como também muitos milagres de Jesus não foram registrados. Mas tudo o que foi registrado foi suficiente para dirigir a vida do povo de Deus. Mesmo assim, esses fatos não tendo sido escriturados, eles sempre foram a Palavra infalível e inspirada de Deus, pois saíram da boca de seus santos profetas (1 Pe 1:20-21). Mesmo que muitas palavras proféticas dirigidas a Israel não tenham sido escritas, elas foram usadas como Palavra de Deus, e correspondiam ao cânon da época. Como também durante a época em que o Novo Testamento estava sendo escrito não havia ainda um cânon das escrituras do Novo Testamento, mas a igreja tinha um cânon oral, que eram as diretrizes da Nova Aliança, reveladas por meio dos apóstolos e dos profetas.

É claro que hoje ninguém cairia no absurdo de fazer uma bíblia de revelações modernas, mas se alguém colocar em um pedaço de papel o registro das palavras que alguém disse ter recebido do Senhor, sem dúvida esse pedaço de papel se tornaria um pedaço de Bíblia. Qual é, pois, a diferença de natureza entre a palavra falada e a palavra escrita de Deus? Nenhuma! Ambas são inspiradas, infalíveis e autoritativas. Se a palavra falada for escrita, ela se tornará a Palavra escrita; foi assim no passado, então, por que haveria de ser diferente no presente? Ora, isso entraria em tremendo conflito com a ideia de um cânon sagrado, e abriria precedentes para a formação de milhares de “Bíblias” ao longo do tempo e do espaço.

Essa é uma das razões, pela qual nunca podemos imaginar que Deus se comunique verbalmente nos dias modernos. Não há como compreender as palavras de Deus sem o aspecto canônico. Toda palavra revelada implica em canonicidade. Mesmo que não entre num cânon para uma futura geração, mas ela funcionará como cânon para a geração que faz uso dela; foi assim no passado. Mesmo que as palavras de Deus dirigidas a Israel não tenha sido registradas para nós, naquela época elas tinham seu valor canônico para dirigir a vida de Israel. As palavras provindas de Deus sempre são palavras de Deus. Sua escrituração não pode alterar sua natureza.

  1. O problema dos dois cânons

O que normalmente se diz dentro do movimento de revelação moderno é que Deus já revelou a doutrina, e, agora, ele está revelando Sua vontade para a vida dos crentes. Divide-se assim a revelação em dois cânons: o cânon para a salvação – a Bíblia, e o cânon para a vida – a revelação moderna. Com esta concepção, muitos acham que Deus falou outrora sobre doutrinas e agora ele fala sobre a vida. Creem que fazendo assim não ferem a suficiência nem a autoridade das Escrituras.

A falsidade deste argumento está no fato de Deus nunca ter produzido dois cânons. Paulo referiu-se às sagradas letras para a salvação que eram as Escrituras do Velho Testamento, e enfatizou-as como o cânon da vida proveitosa para ensinar, repreender, corrigir, instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente preparado para toda boa obra (2 Tm 3:15-16).

Uma outra fraqueza da ideia dos dois cânons é que o “cânon da vida” dos que vivem em busca de novas revelações nunca acrescenta nada de novo. Geralmente as revelações para dirigir a vida dessas pessoas são meras repetições da linguagem e das ideias da Bíblia. Na maioria dos casos são “promessas” subjetivas, sem condição de se averiguar a falsidade de tais revelações. Certa vez eu estava dando uma palestra, e uma certa senhora me disse que Deus tinha falado com ela em alta voz. Perguntei-lhe o que Deus tinha lhe dito, e ela citou, decorado, Josué 1:9 como sendo as palavras que Deus havia dado para confortá-la. Ao dizer isso, aquela mulher revelou-se ser uma típica crente vagarosa em ler as Escrituras, que não cria nas promessas de Deus, e Deus precisaria estar sempre lembrando-lhe Suas promessas, como fazia com Israel, que em tão pouco tempo se esquecia dos milagres e das promessas de livramento. A esse povo Moisés tinha que estar sempre lembrando por causa da sua dura cerviz.

Um outro detalhe dos dois cânons é que o “cânon da vida” não é inspirado nem autoritativo. Como pode alguém confiar sua vida espiritual a um cânon sem nenhuma autoridade nem inspiração? Isto seria pura irresponsabilidade de quem se arrisca a dirigir sua vida por uma palavra que não seja a Palavra inspirada, inerrante e autoritativa de Deus. Essa foi a mesma prática pagã da igreja Católica Romana quando substituiu a Palavra infalível de Deus pela palavra “infalível” do Papa. Os que dirigem suas vidas por uma palavra que não seja a Palavra de Deus estão no mesmo pecado do Catolicismo, substituindo a Palavra de Deus pela palavra do homem.

  1. A questão da imperfeição da doutrina apostólica

Se a revelação ainda não cessou, e a igreja ainda precisa de revelações hoje para sua vida, isso implicaria em que a doutrina apostólica ainda é imperfeita. O que mais os apóstolos escreveram foram os princípios para a vida cristã da igreja. A maioria das cartas de Paulo é para tratar de princípios práticos para vida de cada crente. Se acharmos que Deus ainda continua revelando princípios para um cânon da vida, então os princípios apostólicos não foram suficientes, e deixaram uma brecha que está sendo suprida pelas novas “revelações do Espírito hoje”. Sendo assim, a doutrina apostólica estaria incompleta e imperfeita, dependendo de novas revelações. A grande dificuldade é que os princípios apostólicos são divinos, inspirados, infalíveis e autoritativos, enquanto que os princípios do suposto cânon da vida, revelados pelos profetas modernos não são. Ora, como podem os princípios apostólicos inspirados serem completados e aperfeiçoados por princípios revelados não inspirados?

  1. Como Deus dirige seu povo

É muito comum ouvir-se dizer entre aqueles que defendem a revelação moderna que a razão dessas novas revelações é o fato de Deus querer guiar sua igreja com uma palavra extra Bíblia. O fato é que ninguém percebe que Deus só dirige o seu povo com uma palavra infalível. Se Deus estivesse dirigindo o Seu povo por meio de uma palavra trazida do céu hoje, certamente que essa palavra seria infalível. Foi assim nos tempos bíblicos. A prova de que a revelação cessou é que Deus já tem uma palavra infalível para sua Igreja, e desde que essa palavra terminou de ser escrita, nada mais foi escrito ou revelado de maneira infalível. Deus dirige Seu povo hoje através da Palavra infalível, que está completamente escrita.

  1. O tipo de cristianismo fácil proposto pelo profetismo moderno

A busca por novas revelações é um fator negativo na vida dos que se dizem crentes. O modelo de fé deixado por Jesus é aquele que não depende de ver, ouvir ou sentir. Jesus repreendeu a Tomé porque ele queria ver. Os que buscam revelação para ter fé em Deus ou melhorar sua vida espiritual estão caindo numa forma de cristianismo fácil, que foi condenado por Jesus. Ora, é claro que é muito mais fácil viver um cristianismo onde se pode ouvir a voz de Deus e ver o que Deus faz do que crer em Suas promessas. Porém, tremendamente difícil é viver um cristianismo onde temos que crer nas promessas de Deus contra toda a adversidade da vida, sem nada ver ou ouvir. É muito mais fácil crer quando há horizontes para isto, mas, tremendamente difícil é crer quando eles estão ausentes. Que crentes são esses que precisam ouvir a voz de Deus para ter fé? Isso nos lembra Israel no deserto, quando era necessário Moisés operar algum milagre para que o povo cresse em Deus, mesmo assim, depois de pouco tempo da evidência do milagre, eles caíam em pecado novamente. O modelo da verdadeira fé é aquele que não depende do que vê, ouve ou sente, mas apenas crer. Esse é o modelo da fé de Abraão e de Paulo, e o modelo recomendado por Jesus como a verdadeira fé do crente.

  1. O propósito da revelação

Qual o propósito da revelação hoje?

Muitos diriam que é para consolar os crentes, para advinhar ou revelar pecados da igreja, e ainda outros dizem que é para guiar e edificar os crentes em algum propósito estabelecido por Deus. Esse modelo não é bíblico, pois nada há no N.T que indique que a revelação era empregada para uso particular, (1 Co 14:6). Todas as coisas necessárias para a perfeição dos filhos de Deus já foram reveladas em Sua Palavra. O que muitas pessoas estão fazendo hoje é tentando trazer uma palavra advinhadora para a vida de alguém, o que não é normativo nas Escrituras. Em nenhum lugar nas Escrituras há o ensino de que a revelação foi dada à igreja para adivinhar aspectos particulares da vida dos crentes ou de coisas que Deus tem para fazer com alguém. Ao contrário, o uso correto da revelação foi ensinado por Paulo, que deixou claro a finalidade da profecia: exortar, consolar, e edificar. Mas nunca de forma particular, e sim coletiva, corporativa, na Igreja e para toda a igreja (1 Co 14:26).

 

É possível Deus falar hoje fora das Escrituras? (1/4)

É possível Deus falar hoje fora das Escrituras? (3/4)

É possível Deus falar hoje fora das Escrituras? (4/4)

 

Autor: Moisés Bezerril

Fonte: Monergismo

Reformados 21
Reformados 21
Site de Teologia e Apologética, cujo intuito é evangelizar, discipular, ensinar, combater as heresias e defender a fé cristã.