A Onipresença de Deus

Share

O termo onipresença sempre será usado aqui para descrever a característica da infinidade de Deus que faz com que ele tenha a sua presença plena em cada parte do espaço.

Sl 139.7-10 – Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo. lá estás também; se tomo as asas da alvorada e me detenho nos confins dos mares, ainda lá me haverá de guiar a tua mão e a tua destra me susterá.

O salmista está dizendo aqui que Deus pode ser encontrado em toda parte sem que esteja parcialmente em cada parte. Ao contrário, essa sua capacidade de onipresença significa que Deus enche cada parte do espaço com a plenitude da sua presença. Não há como fugir da sua presença total. Ele é encontrado em toda parte sem que haja qualquer fracionamento do seu ser. Em cada parte do seu inteiro universo Deus é encontrado em plenitude. É importante recordar que ele não é o universo, mas está totalmente em cada parte do mesmo. Também precisamos saber que ele não está espalhado pelo universo, como se cada parte dele estivesse num lugar. Ele pode ser encontrado tanto nas partes mais profundas como nas mais altas. Ninguém escapa da sua infinita presença.  É esse o sentido que o salmista deu aos versos acima.

Jr 23.23- 24 – Acaso, sou Deus apenas de perto, diz o Senhor, e não também de longe Ocultar-se-ia alguém em esconderijos, de modo que eu não o veja? diz o Senhor; porventura não encho eu os céus e a terra? diz o Senhor.

Esses versos também mostram como o ser humano não pode escapar à presença de Deus. Ninguém pode ocultar-se dele devi do à sua onipresença. Ele é o Deus sempre presente, um Deus que está perto, porque nunca ninguém pode ausentar-se dele. Nenhuma cri atura pode fugir dos olhos daquele que vê todas as coisas. Isso é impossível justamente porque ele “enche os céus e a terra” com sua presença.

At 17.27-28 – … para buscarem a Deus se, porventura, tateando, o possam achar. bem que não está longe de cada um de nós, pois nele vivemos. e nos movemos, e existimos …

Deus não está longe de ninguém quando consideramos a sua natureza presencial. Deus está essencialmente presente em toda a parte, no céu e na terra. Não há lugar onde ele não esteja. Ele não está ausente de lugar algum. Ele penetra até mesmo os lugares mais ocultos. A criatura não pode fugir da sua presença “porque nele vivemos, nos movemos e existimos” (At 17.28).

Deus está presente em cada parte do uni verso com o seu ser completo. Este é o sentido de onipresença.

HÁ VÁRIOS MODOS DE SE ESTAR PRESENTE EM UM LUGAR

Há algumas coisas que precisam ser ditas a respeito da presença das coisas num determinado lugar. Não existe apenas um único modo de se estar presente. A presença de um objeto ou de um ser num lugar depende da sua natureza:

  1. OS CORPOS ESTÃO PRESENTES NO ESPAÇO CIRCUNSCRITINAMENTE

Isto quer dizer que eles estão limitados pelo espaço. Esta maneira de estar presente é própria das coisas quantitativas, dotadas de extensão física. Um corpo enche um espaço particular onde ele está; o seu espaço é a medida do seu tamanho e outro corpo não pode ocupar esse mesmo espaço simultaneamente.

  1. OS ESPÍRITOS FINITOS ESTÃO PRESENTES DEFINIDAMENTE

Os anjos ou demônios estão operando em algum lugar definido, mas não estão em toda parte, somente em algum lugar. A sua maneira de estar é diferente da maneira como os corpos ocupam espaço. Muitos espíritos podem estar no mesmo espaço, mas eles não ocupam espaço do mesmo modo que os corpos. Não se pode negar, contudo, que eles estão presentes em algum lugar.

  1. DEUS ESTÁ PRESENTE REPLETIVAMENTE

Isto quer dizer que ele enche todo espaço. As limitações do espaço não são um referencial para ele. Ele não está mais presente em um lugar do que em outro. A extensão é propriedade da matéria, não de Deus. Quando dizemos que Deus está totus em todo lugar, queremos dizer que ele não está em todo lugar por partes, como os corpos estão. Ele enche todo o espaço com a plenitude do seu ser. Sobre isto, diz A. A. Hodge:

Este enchimento do espaço não se deve à multiplicação infinita do Seu Espírito, viste que Ele é eternamente um e individual; também não é resultado da difusão infinita de Sua essência através do espaço infinito, como o ar é difuso sobre a superfície da terra, visto que Deus, sendo um Espírito, não é composto de partes, nem é capaz de extensão, mas a Divindade inteira em urna indivisível essência está igualmente presente cm cada momento de eterna duração à totalidade do espaço infinito, e em cada parte dele.133

HÁ DIFERENTES MODOS DE DEUS ESTAR PRESENTE

Deus está presente em todas as coisas, mas em cada uma delas de maneira diferente, dependendo da capacidade do objeto em que ele está presente:

a) Deus está presente na natureza de um modo diferente de sua presença nos homens. O cuidado que Deus tem com a natureza é diferente do cuidado que tem com os seres humanos, porque a natureza de ambos é diferente.

b) Deus está presente no crente de um modo diferente do que está presente nos outros seres humanos. O modo da sua habitação é diferente. Ele está presente em todos os homens por causa de sua onipresença, mas está presente no coração dos crentes por causa do seu especial cuidado e proteção dos mesmos. Eles são o templo de Deus, onde Deus habita de maneira especial (Jo 14.23). Ele está presente em todos em virtude de sua essência divina, mas somente com o seu povo de maneira espiritualmente eficaz.

c) Deus está presente no céu (Mt 6.9) de maneira diferente de sua presença no templo de Israel ou no tabernáculo (Sl 76.2; Hc 2.20). O tabernáculo era apenas uma amostra muito pequena da sua gloriosa presença no céu. A diferença está na intensidade de influência e de impacto por causa da nossa própria natureza pecaminosa. Lá no céu perceberemos quão diferente é a sua glória comparada com a sua presença localizada no templo.

A PRESENÇA DE DEUS PODE SER BENÉVOLA OU SEM BENEVOLÊNCIA

  1. Presença sem benevolência

Na vida dos ímpios a sua presença é sem qualquer benevolência. De um lado, Deus está presente na vida dos ímpios refreando os seus pecados, enquanto eles vivem nesta presente condição. Deus está presente neles a fim de que eles não pequem em quantidade de que são potencialmente capazes. Deus refreia a sua pecaminosidade estando presente neles.

Por outro lado, a sua presença com eles nesta vida pode ser de julgamento parcial, quando mesmo estando com eles, ele os entrega às suas paixões, mostrando o seu descontentamento com eles. O fato de Deus entregá-los às suas paixões não significa que a sua presença tenha se retirado deles. A sua bondade refreadora é que é retirada, não a sua presença. Todavia, por sua onipresença, Deus está presente na vida deles. Estes são os modos diferentes de Deus estar presente na vida dos ímpios.

Ainda na vida dos ímpios, a sua presença é também de juízo quando esta vida termina. Essa presença acontece de modo negativo quando ele não manifesta nenhuma bondade para com os que estão no inferno. De modo positivo, a sua presença causa-lhes dor. Isto acontece quando da manifestação da sua justiça no inferno ou no lago de fogo. Deus estará presente no lugar de punição, sem qualquer manifestação de bondade em bênçãos confortadoras. Será uma presença que impinge terror, causando tormentos na existência dos condenados. É a sua presença de ira e de retribuição.

  1. Presença com benevolência

Esta é a sua presença benévola que pode existir tanto na vida dos não redimidos como na vida dos redimidos, no que diz respeito à sua providência. Providencialmente, Deus está presente com todas as suas criaturas porque ele as produziu e as preserva,134 e elas não podem escapar desse cuidado.135 Deus pode ter uma presença providencial especial com algumas pessoas  para  que estas sejam  instrumentos  na execução  do seu plano.136

Charnock diz que essa

presença influente de Deus pode ser comparada à do sol, que, embora a tão grande distância da terra, está presente no ar e na terra por sua luz, e dentro da terra por sua influência em forjar aqueles metais que estão nas suas profundezas, sem pertencer substancialmente a nenhum deles.137

Todos estão expostos à luz do sol e são aquecidos por ela. Assim, Deus envolve todos os seres com a sua presença providencial e governadora. A diferença é que sentimos somente os efeitos do sol sobre nós, mas ele continua muito distante. Deus, contrariamente, está longe, mas ao mesmo tempo está junto de nós e em nós.138 Não somente os seus efeitos são sentidos aqui, mas a sua presença está aqui.

Como a fragrância de um perfume penetra os lugares mais escondidos da nossa vista, assim Deus penetra todos os lugares, porém com toda a plenitude do seu ser.139 Nada escapa da presença providencial de Deus. A grande diferença é que o perfume perde o seu cheiro de acordo com o tamanho do ambiente onde está, mas a presença providencial de Deus abarca todo o uni verso e dura para sempre.

A presença essencial de Deus com as suas criaturas é a base da subsistência das mesmas. Sem essa presença, tudo pereceria. Ele criou e dá subsistência a tudo.140 A sua providência atinge todas as criaturas, sejam elas remidas ou não­ remidas, racionais ou irracionais.

Todavia, há alguns modos em que ele está presente unicamente com aqueles em quem colocou o seu coração, amando-os. Deus está presente neles:

Salvadoramente: Deus está presente somente com os do seu povo e somente eles são objeto de sua presença especial. Todos os ímpios que estão para ser salvos o buscam porque ele está perto. Por sua graça especial, ele está presente com os eleitos, regenerando-os – dando-lhes vida.

Santificadoramente: quando ele exercita a sua tarefa de limpeza na vida do seu povo. Na verdade, a santificação é a salvação em processo. Deus está presente de modo maravilhoso, trazendo a restauração do seu povo até que tudo se complete e prepare para a entrada na glória.

Gloriosamente: quando todo o seu povo estiver completamente redimido.

Aí a sua presença será percebida de modo ímpar, como em nenhuma outra época, pois agora o seu povo estará preparado para poder vê-lo como ele realmente é. O seu povo estará adaptado para uma comunhão absolutamente plena pela simples razão de que esse povo estará preparado para essa presença, coisa que não acontece no presente momento!

Em todos os lugares, contudo, Deus está presente repletivamente. Ele está inteiramente presente com a infinidade do seu ser em toda a sua criação.

RELAÇÃO DA INFINIDADE COM OS OUTROS ATRIBUTOS

A infinidade de Deus manifestada na sua eternidade e na sua imensidão ou onipresença está relacionada intimamente com todas as outras perfeições divinas, porque todas elas são a essência de Deus: sua infinidade está relacionada com a sua sabedoria (Jó 11.7-9); com o seu poder (Jó 5.9; Sl 147.5); com a sua eternidade (Jó 36.26).

”Corno a eternidade é a perfeição por meio da qual Deus não tem começo nem fim, como a imutabilidade é a perfeição pela qual ele não tem aumento nem diminuição, assim a imensidão ou onipresença é a perfeição pela qual ele não tem fronteira nem limitação. Como ele está presente em todo tempo, também está acima e além do tempo; assim como ele está em todos os lugares, todavia, está acima e além da limitação espacial.”141

Pode-se dizer que a eternidade “é um atributo negativo em Deus, porque é a negação de qualquer medida de tempo nele, assim como a imensidão é a negação de qualquer limite físico. Assim como a imensidão é a difusão da sua essência, a eternidade é a duração da essência”.142

Assim como a eternidade é a perfeição divina que o relaciona com o tempo, a imensidão é a sua perfeição que o relaciona com o espaço, duas categorias sem as quais não podemos ser, pensar, nem viver. Mesmo na outra vida, depois desta, ainda seremos seres com essas categorias, porque ainda seremos seres humanos. É por isso que a parte final da redenção humana será nos novos céus e na nova terra, onde as mesmas categorias estarão presentes, embora certamente num plano inteiramente superior.

 

 

NOTAS:

  1. A. A. Hodge, Outlines of Theology, 140-41.
  2. Sl 36.6: Hb 1 .3.
  3. Al 17.28.
  4. Is 45.1,2 – o exemplo de Ciro: “Eu irei adiante de ti”; Jr 27.6 – o exemplo de Nabucodonosor: “meu servo”.
  5. Charnock, The Existence and the Attributes of God, vol. 1, 369.
  6. Is 55.6.
  7. Sl 139.7-9.
  8. Ler Is 40.12-31.
  9. Charnock, The Existence and the Attributes of God, vol. l, 367.
  10. lbid., 280.
  11. lbid., 398.

 

 

Autor: Heber Carlos de Campos

Trecho extraído do livro O Ser de Deus e os seus atributos, pág 211-216. Editora: Cultura Cristã  

Reformados 21
Reformados 21
Site de Teologia e Apologética, cujo intuito é evangelizar, discipular, ensinar, combater as heresias e defender a fé cristã.