A oração na madrugada é mais eficaz por que a fila é menor?

Share

Introdução

A crença de que a oração na madrugada é “mais forte” do que em outros períodos do dia e que é respondida lestamente, é bastante popular no cenário pentecostal e neopentecostal. Os adeptos dessa crença afirmam que na madrugada a fila é menor, porquanto não muitos cristãos têm o hábito de orar entre às 00h00min. e 06h00min.; por isso a oração efetuada com afluência neste horário é respondida por Deus quase que imediatamente. Segundo os pentecostais e neopentecostais, a razão de Deus abençoar mais rapidamente os que mantêm o hábito de orar na madrugada é porque Provérbios 8.17 ensina que “Deus” ama os que o amam, e os que de madrugada o buscam o acharão. (ARC)

Existem algumas variações nesta crença quanto ao horário das orações realizadas na madrugada. Muitos cristãos gostam de orar às 03h00min., pois são ensinados por seus pastores, influenciados pelo misticismo gnóstico, que nesse horário existe uma atmosfera mais espiritual, mais profunda, onde os cristãos podem alcançar níveis maiores de intimidade com Deus. No entanto, a maioria dos cristãos pentecostais e neopentecostais creem que um dos melhores horários para se orar na madrugada é às 00h0min., porque esse é o momento de guerra espiritual em que batalhas são vencidas, dizem alguns. Para ratificar essa ideia, os cristãos recorrem a outro texto da Escritura – Atos 16.25-26.

Por pregarem o Evangelho na cidade de Filipos, Paulo e Silas foram presos (At 16.11-24). E no cárcere, por volta da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam. De repente, sobreveio tamanho terremoto, que sacudiu os alicerces da prisão; abriram-se todas as portas, e soltaram-se as cadeias de todos (At 16.25-26).

Contudo, Provérbios 8.17 e Atos 16.25-26 são os textos utilizados como “base” de que a oração na madrugada é mais eficaz do que em outros horários do dia, pois desemboca em bênçãos extraordinárias, como foi no caso de Paulo e Silas.

 

Explanação

É imprescindível ressaltarmos que a oração na madrugada não é uma prática errônea ou pecaminosa. De modo nenhum! Pelo contrário, como cristãos, devemos orar diariamente. A comunhão com Deus, que dimana de uma vida de oração, é fundamental em todos os horários do dia. Porém, quero enfatizar duas questões neste artigo.

Primeiro, a interpretação correta dos textos supracitados em contraste com a interpretação equivocada de muitos pastores e cristãos sinceros, mas incautos; segundo, destronar o misticismo gnóstico pentecostal e neopentecostal de que a oração na madrugada é um tipo de magia especial, da qual emanam as bênçãos divinas apressuradas.

Análise de texto

Provérbios 8.17 – Eu amo os que me amam, e os que de madrugada me buscam o acharão…

A sabedoria é um dos principais temas no livro de Provérbios. Do capítulo 1.8 até 9.18, vemos um esboço compilado de breves conselhos práticos que expressam a sabedoria divina e eterna. O objetivo desses conselhos divinos, todavia, é conduzir o leitor a refletir em como aplicá-los nas diversas situações da vida.

Nos capítulos 8 e 9, a sabedoria é atribuída aos homens. No capítulo 8, “ela está disponível para os mais simples (8.2, 5), mas também é profunda: se o próprio Deus não fez nada sem sabedoria (8.22-31), quem somos nós para tentar orientar as nossas próprias vidas sem ela?”1

Personificada como uma mulher no capítulo 8, a sabedoria, no capítulo 9, “é contrastada com a mulher louca. Elas têm métodos similares, pelo fato de que ambas se assentam nos lugares mais conspícuos da cidade (8.2-3; 9.3, 14) e convidam os simples (8.6; 9.5, 16). A sabedoria oferece recompensas que são mais valiosas do que qualquer tipo de riqueza (8.10-11, 18-19), ao passo que a mulher louca recomenda a doçura das “águas roubas” e a suavidade do pão comido às ocultas (vs.17). As consequências conectadas com estas escolhas são completamente opostas. Os convidados da Sabedoria recebem muitas bênçãos (8.34-35), mas os que se voltam para a loucura perecem e estão nas profundezas do inferno (vs.18).”2

Via de regra, o capítulo 8 descreve a excelência da sabedoria. O trecho que compreende os versículos 14-21 realça não os beneficiados (vs.14-17) e as bênçãos (18-21) de buscar a sabedoria, mas a própria sabedoria. Os pronomes pessoais eu e me – e o pronome possessivo meu – são enfáticos, e referem-se a sabedoria. Todavia, o seu amor é experimentado pelas bênçãos de quem a recebe (vs.18-21). Quanto às bênçãos da sabedoria, certamente elas são de caráter material (3.16; 22.4), embora o aspecto espiritual predomine.

Acerca do caráter espiritual das bênçãos da sabedoria, Derek Kidner observa:

Se os homens em posição de autoridade (vs.15-16) precisam de sabedoria, é visando a justiça, e não as vantagens. Se ela confere riquezas (vs.18), estas se vinculam com a honra e a justiça (embora justiça possa ter seu significado secundário, “prosperidade” no versículo 18, forçosamente tem seu sentido primário e moral no versículo 20). O versículo 19 deixa a questão fora da dúvida, e vai ainda além dos versículos 10-11. A sabedoria não somente é excelente do que o ouro, assim como a fonte toma procedência sobre o produto; o próprio produto (fruto) da sabedoria é melhor do que o ouro.3

Diante disso, a expressão eu amo os que me amam descreve simplesmente o amor que a sabedoria possui por aqueles que a amam, buscam e desfrutam de suas bênçãos. Provérbios 8.17 não menciona nada acerca da oração na madrugada nem tampouco sustenta a crença mística de que na madrugada a fila para a oração é menor, que o horário é especial, que a oração possui um poder mágico e que Deus a responde mais rapidamente do que em outros momentos do dia.

Por outro lado, a sabedoria tem a ver com a graça de Deus, uma vez que é o próprio Jesus, o qual se declarou como a encarnação da sabedoria divina (Mt 11.19; Lc 11.49-51; Jo 6.35; 1 Co 1.24-25; Pv 2.4-5; 3.13-15). Com efeito, uma das melhores traduções para Provérbios 8.17 seria a da ARA, que diz: Eu amo os que me amam; os que me procuram me acharão, excluindo, assim, o substantivo feminino “madrugada”. Outras traduções similares são a Almeida Século 21, NVI e a BJC.

Análise de texto

Atos 16.25-26 – Por volta da meia noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam. De repente, sobreveio tamanho terremoto, que sacudiu os alicerces da prisão; abriram-se todas as portas, e soltaram-se as cadeias de todos.

Paulo e Silas foram para a cidade de Filipos evangelizá-la, permanecendo lá por alguns dias (16.11-12). Através da pregação de Paulo, de seus auxiliares e companheiros de viagem – Silas, Timóteo e Lucas, uma mulher chamada Lídia, vendedora de púrpura, foi convertida pelo Senhor (16.14-15). O evangelismo ocorreu por toda a cidade. Por conseguinte, quando estavam deslocando-se para orar em certo local, Paulo e seus companheiros se depararam com uma jovem possessa por um espírito de adivinhação, a qual os seguia por alguns dias, importunando-os com ulos (16.17).

Simon Kistemaker afirma que é provável que os gritos da moça fizeram com que muita gente se reunisse e ouvisse Paulo e seus amigos. Todos podiam ouvir a mensagem de salvação. Mas os contínuos gritos da moça passaram a ser um estorvo para o apóstolo na pregação do evangelho, e o transtorno o perturbou de maneira tal que ele teve de intervir e se dirigir ao demônio que habitava na moça.4 Paulo exorciza a jovem e ela fica liberta da ação demoníaca em sua vida (16.16-18).

Contudo, antes de ser liberta de Satanás, aquela jovem era explorada e trabalhava como adivinha para pessoas que lucravam com o misticismo que predominava em Éfeso (16.16). Mas, quando Paulo exorcizou o espírito que dominava aquela jovem pitonisa, exorcizou também a fonte de renda daqueles que a exploravam,5 e presumimos que ela recebeu o dom da salvação e se tornou membro da igreja filipense.6 Levados às autoridades da cidade de Filipos pelas pessoas que exploravam a jovem, Paulo e Silas foram presos (16.24). Então, perto da meia-noite, enquanto oravam e louvavam a Deus, ocorre um terremoto que destrói a prisão em que estavam.

Assim como em Provérbios 8.17, Atos 16.25-26 também não favorece a ideia de que a oração à meia-noite ou perto dela desemboca em bênçãos insólitas. O texto não fala que a oração ou o horário próximo à meia-noite é irá ocorrer o terremoto da libertação, onde as cadeias que prendem a nossa vida irão ruir. Esse foi o tema de uma série de pregações triunfalistas baseadas no texto de Atos na IEQ que congreguei entre 2005-2009.

O propósito da intervenção sobrenatural de Deus através daquele um terremoto foi (1) Libertar Paulo e Silas para que pudessem evangelizar as regiões ainda não evangelizadas (veja At 16.6-12). (2) Que através daquela intervenção miraculosa de Deus, o carcereiro e sua família pudessem ouvir o evangelho através de Paulo e serem salvos, o que de fato aconteceu (At 16.27-34).

Ora, não estou dizendo que Deus não pode abençoar imediatamente um cristão que ora sincera e corretamente perto das 00h00min.; Deus pode, contanto se for da sua vontade (1 Jo 5.14-15). Mas isso não é uma regra normativa em que Deus sempre abençoa os que oram por volta das 00h00min. ou na madrugada.

 

Conclusão

Não há em toda a Escritura um horário específico de oração que Deus tenha determinado ser “especial”, onde Ele responde com maravilhosas bênçãos, e que a fila para a oração seja menor na madrugada. Isso é um mito pentecostal e neopentecostal! Antes, Deus nos admoesta, em Sua Palavra, que devemos orar assiduamente, sem cessar. A oração é um meio de graça que Deus nos proporcionou para nos mantermos em comunhão profunda com Ele.  Deve ser um hábito em nossa vida a ser realizada em qualquer horário do dia (1 Ts 5.17) . O poder não está na oração e no horário em que são efetuadas, mas no Deus que as ouve e responde em bênçãos. O cristão que não ora regularmente não vai desfrutar das bênçãos da oração. A oração nos desapega das coisas supérfluas desse mundo, nos leva cada vez para mais perto de Deus e nos faz desfrutar da alegria da salvação em Cristo Jesus.

 

 

NOTAS:

  1. Bíblia de Estudo Palavra Chave – Hebraico e Grego. Notas de Rodapé, pág 679-680.
  2. Ibid.
  3. Derek Kidner. Provérbios: Introdução e Comentário, pág 75.
  4. Simon Kistemaker. Atos, volume 2, pág 133.
  5. Hernandes Dias Lopes. Atos, pág 305.
  6. Simon Kistemaker. Atos, volume 2, pág 133.

 

 

Autor: Leonardo Dâmaso

Divulgação: Reformados 21

Reformados 21
Reformados 21

Site de Teologia e Apologética, cujo intuito é evangelizar, discipular, ensinar, combater as heresias e defender a fé cristã.