Os cristãos devem se sentir culpados o tempo todo?

Share

Eu imagino que há muitos cristãos que raramente sentem peso na consciência ou pontadas de culpa. Mas também conheço muitos, muitos cristãos (inclusive o que eu vejo no espelho) que facilmente se sentem culpados por muitas coisas que não estão fazendo ou que fazem menos que perfeitamente. De fato, estou convencido que a maioria dos cristãos sérios vivem suas vidas com um leve senso de culpa quase constante.

Por que nos sentimos culpados? Deixe-me fazer uma lista:

 

  • Nós poderíamos orar mais
  • Não somos corajosos o suficiente no evangelismo
  • Gostamos demais de esportes
  • Vemos filmes e TV demais
  • Nossos momentos de reflexão são muito curtos ou muito raros
  • Não doamos o suficiente
  • Compramos um sofá novo
  • Não lemos para nossos filhos o bastante
  • Nossos filhos comem muito Cheetos e batata frita
  • Não reciclamos o lixo
  • Precisamos perder 10kg
  • Poderíamos aproveitar melhor nosso tempo
  • Poderíamos viver em um lugar mais simples e menor

 

O que podemos fazer com todos esses cenários de culpa? Não é que sintamos algum tipo de culpa “vou morrer por causa disso”. Mas algumas dessas situações acabam tendo um efeito cumulativo, e até o cristão mais maduro acaba sentindo que está deixando Deus desapontado, quase como se não fosse um cristão de verdade.

E a parte complicada é: nós devemos sim nos sentir culpados, às vezes, porque, às vezes, somos culpados por pecados. Mais ainda, a complacência é um perigo real para o cristão, especialmente aqui na América.

Por outro lado, eu não acredito que Deus nos redimiu pelo sangue de seu Filho para que nos sintamos como perdedores constantemente. Pedro e João parecem cheios de medo ou auto-comiseração após o Pentecostes? Paulo parece constantemente preocupado porque poderia estar fazendo mais? Por incrível que pareça, Paulo chega a afirmar em certo momento: Porque em nada me sinto culpado (1 Coríntios 4.4). Ele logo completa: mas nem por isso me considero justificado, pois quem me julga é o Senhor. Mas realmente há a impressão de que Paulo colocava a cabeça no travesseiro antes de dormir com a consciência limpa. Por que então tantos cristãos se sentem culpados o tempo todo?

  1. Nós não abraçamos completamente as boas novas do Evangelho

Nós esquecemos que fomos trazidos à vida com Cristo. Fomos salvos pela fé. E isso é o dom de Deus, não um resultado de nossas obras (Efésios 2.4-8). Temos tanto medo do antinomismo, que é um perigo real, que ficamos com medo de falar demais sobre a graça de Deus. Mas se nunca fomos acusados de pregar o antinomismo, talvez nunca tenhamos apresentado o Evangelho em toda sua glória (Romanos 6.1).

  1. Cristãos tendem a motivar uns aos outros pela culpa, não pela graça

Ao invés de levar nossos companheiros de fé a serem que o são em Cristo, nós exigimos que eles façam mais por Cristo (veja a motivação certa em Romanos 6.5-14). Assim, nós enxergamos a semelhança com Cristo como algo que nunca alcançaremos, quando deveríamos enxergar como algo que já possuímos, mas que devemos desenvolver.

  1. A maior parte da nossa “leve culpa” está na ambígua categoria “não fazemos o suficiente”

Veja a lista que fiz no começo. Nenhum dos itens é necessariamente um pecado. Todos são algum tipo de infração, percepção ou costumes que gostaríamos de fazer mais (ou menos). Essas áreas são as mais complicadas, porque nenhum cristão, por exemplo, vai dizer que está orando o suficiente. Então é comum se sentir terrível a respeito da oração (ou evangelismo, ou doações, ou qualquer outra disciplina). Devemos ser cuidadosos para não insistirmos em certos padrões de prática quando a Bíblia apenas insiste em um princípio mais geral. Deixe-me dar outro exemplo. Todo cristão deve doar generosamente e contribuir com as necessidades dos santos (2 Coríntios 9.6-11; Romanos 12.13). Podemos insistir nisso com certeza absoluta. Mas como essa generosidade se manifesta – quanto nós damos, quanto nós retemos – não está limitado por nenhuma fórmula ou pode ser motivado por compulsão (2 Coríntios 9:7). Então se quisermos que as pessoas sejam mais generosas, faríamos bem se seguíssemos o exemplo de Paulo em 2 Coríntios e enfatizássemos a bênção e a motivação enraizada no Evangelho para a generosidade, ao invés de envergonhar aqueles que não dão o suficiente.

  1. Quando somos realmente culpados do pecado, é necessário nos arrependermos e recebermos a misericórdia de Deus

Paulo tinha a consciência limpa, não porque ele nunca havia pecado, mas, imagino eu, porque ele sempre ia rapidamente ao Senhor que ele sabia que estava errado, e descansava na “não condenação” do Evangelho (Romanos 8.1). Se confessarmos os nossos pecados, diz João, Deus é fiel e justo para perdoar nossos pecados e nos purificar de toda injustiça (1 João 1.9). Não devemos nos sentir clinicamente deprimidos o tempo todo. Devemos viver na alegria da nossa salvação. Assim, quando pecamos – e todos nós pecamos (1 Reis 8.46; 1 João 1.8) – nós confessamos, somos purificados, e seguimos com a vida. Isso passa por um dos maiores perigos da culpa constante: nós aprendemos a ignorar nossa consciência. Se estamos realmente pecando, devemos nos arrepender e implorar ao Senhor que nos ajude a mudar. Mas se não estamos pecando, se talvez não sejamos tão maduros quanto possamos ser ou não tão disciplinados quanto outros cristãos, se estamos fazendo escolhas que talvez sejam aceitáveis mais não são extraordinárias, então não deveríamos nos sentir culpados. Desafiados, quebrantados, inspirados, mas não culpados.

Como pastor, isso significa que eu não espero que todos da minha congregação se sintam mal por tudo que eu prego. É normal, afinal de contas, que as pessoas de fato sigam os mandamentos de Deus. Não perfeitamente, não sem algumas intenções duvidosas, não tanto quando poderiam, mas ainda assim, fielmente e obedientemente. Uma boa pregação não requer que todos os cristãos sinceros se sintam horríveis o tempo todo. De fato, a melhor pregação fará os cristãos sinceros verem mais de Cristo e experimentarem mais de sua graça.

Maior entendimento da graça produzirá mais gratidão, que leva a menos culpa. E isso é algo muito bom.

 

 

Autor: Kevin DeYoung

Fonte: The Gospel Coaliton

Tradução: Filipe Schulz

Via: Reforma 21

 

Reformados 21
Reformados 21
Site de Teologia e Apologética, cujo intuito é evangelizar, discipular, ensinar, combater as heresias e defender a fé cristã.